UOL Notícias Notícias
 

09/04/2008 - 14h09

Representantes decidirão se eliminam prazo para votar TLC com Colômbia

Washington, 9 abr (EFE).- A presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse hoje que esta entidade decidirá amanhã se elimina o prazo máximo para votar o Tratado de Livre-Comércio (TLC) com a Colômbia.

Em um encontro com os jornalistas, Pelosi, que junto com a maior parte dos democratas se opõe ao pacto comercial, explicou que a votação da última quinta teria como efeito prático mudar o regulamento para votar o convênio.

Esta medida eliminaria o prazo máximo de 90 dias legislativos que as duas câmaras do Congresso - 60 a baixa e 30 a alta - têm agora para submeter a voto o TLC assinado em novembro de 2006.

"Amanhã esta medida será votada para eliminar o prazo da votação", disse à Agência Efe Brendan Daly, porta-voz de Pelosi.

Pelosi não informou quando se submeteria finalmente a um voto o TLC, uma das prioridades legislativas do Governo do presidente George W. Bush.

A decisão da hierarquia democrata representa um revés político para o líder americano, que esta semana desafiou este partido ao enviar ao Legislativo o projeto para o início do tratado comercial.

Pelosi e o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, já tinham advertido Bush que não enviasse a medida sem antes ter garantido os votos mínimos necessários para a ratificação do pacto.

Entretanto, o chefe da Casa Branca afirmou na segunda-feira, ao assinar a carta para transmitir o projeto de lei, que o Congresso não deve dar as costas a um aliado estratégico e chave na região e que, em vez de colocar impedimentos, deveria aprovar o TLC antes do fim do ano.

Esta mesma mensagem foi levada hoje ao Senado pela secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, em seu último comparecimento perante a subcomissão de Dotações para defender o projeto orçamentário de seu escritório para o ano fiscal de 2009.

Rice afirmou que o Governo de Álvaro Uribe melhorou a segurança na Colômbia e está comprometido com o respeito aos direitos humanos.

A chefe da diplomacia americana, que recentemente liderou uma delegação que visitou Medellín, disse que esta cidade colombiana passou de sinônimo de narcotráfico a uma localidade onde agora seus cidadãos "se sentem seguros".

Na tarde de hoje os secretários de Comércio, Carlos Gutiérrez, e de Trabalho, Elaine Chao, receberão líderes sindicalistas da Colômbia em meio à campanha de pressão a favor do TLC.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host