UOL Notícias Notícias
 

26/08/2008 - 18h42

Geórgia acusa Rússia de desafiar a comunidade internacional

Nações Unidas, 26 ago (EFE).- O embaixador da Geórgia na ONU, Irakli Alasania, acusou hoje a Rússia de desafiar a comunidade internacional ao reconhecer a independência das regiões separatistas da Abkházia e da Ossétia do Sul.

"Hoje ficou claro que a Rússia atua como um agressor e lançou um desafio à comunidade internacional", disse Alasania antes de se reunir com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Em uma coletiva de imprensa, o diplomata acrescentou que a comunidade internacional vai ignorar a decisão anunciada nesta terça-feira pelo presidente russo, Dmitri Medvedev, de apoiar a independência das duas regiões separatistas, já que este passo altera ilegalmente as fronteiras da Geórgia reconhecidas internacionalmente.

"Esta decisão não terá repercussões nas fronteiras internacionais da Geórgia e não alterará de modo algum a posição da comunidade internacional em relação à independência, à integridade territorial e à soberania da Geórgia", afirmou.

Alasania acusou Moscou de "agravar uma situação já muito difícil por si só", de "criar novas pressões regionais dentro do Cáucaso" e de "complicar as relações entre as potências mundiais".

Além disso, afirmou que, com o reconhecimento, a "Rússia já predeterminou o resultado do diálogo sobre o futuro das regiões previsto no plano de paz".

Na entrevista, o diplomata georgiano admitiu ainda que seu país têm poucas opções diplomáticas no Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas, órgão do qual a Rússia é um membro permanente com direito de veto.

De qualquer maneira, Alasania reafirmou a vontade de seu país de responder à "ocupação" de seu território "de maneira pacífica" e por meio dos canais diplomáticos competentes.

O embaixador também pediu que os georgianos obrigados a deixar a Abkházia nos anos 90 e os que tiveram que abandonar agora a Ossétia do Sul sejam incluídos em qualquer decisão que se tome sobre o futuro de ambas as regiões.

Segundo o diplomata, grupos paramilitares separatistas estão aterrorizando as duas regiões para expulsar os georgianos que ainda vivem nas duas localidades e assegurar a aprovação unânime da independência.

Além disso, Alasania reiterou a disposição de Tbilisi de dialogar com os habitantes da Abkházia e da Ossétia do Sul para chegar a uma "coexistência pacífica" dentro das fronteiras georgianas e no âmbito de um regime de autonomia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host