UOL Notícias Notícias
 

13/01/2010 - 05h04

Google ameaça encerrar operações na China após ataque hacker

Los Angeles (EUA.), 12 jan (EFE).- A gigante da internet Google ameaçou hoje encerrar suas operações na China após sofrer um ataque hacker proveniente do país asiático, dirigido a contas de e-mail de ativistas pró direitos humanos.

O comunicado foi feito por David Drummond, chefe da divisão legal da empresa, em um blog da companhia.

A Google decidiu repensar sua estratégia na China, onde está presente há quatro anos, ao entender que não estão sendo cumpridos os objetivos estabelecidos quando a companhia se instalou no país, e a mudança de rumos pode representar a saída.

"Compartilhamos esta informação sobre os ataques com muitas pessoas, não só pelas implicações de segurança e direitos humanos, mas também porque esta informação vai ao coração de um debate global sobre liberdade de expressão", comentou Drummond.

O porta-voz do Departamento de Estado americano, Philip Crowley, advertiu que as denúncias sobre o ataque chinês colocam "graves preocupações e dúvidas" e assinalou que está previsto o pedido de uma explicação ao Governo de Pequim.

A companhia opera desde 2006 na China através do domínio www.google.cn, mediante acordo assinado com as autoridades para limitar os resultados de seu buscador, uma controvertida aposta realizada "com a crença dos benefícios que suporia um maior acesso à informação para o povo chinês", apontou.

Ataques registrados em meados de dezembro, com origem na China, conseguiram abrir uma brecha na infraestrutura do Google e tiveram como consequência o roubo de propriedade intelectual da empresa e o acesso a contas de e-mail de ativistas pró direitos humanos chineses que, segundo a empresa, "era o objetivo principal dos responsáveis pelos ataques".

Drummond manifestou que os "hackers" invadiram, além disso, os sistemas de aproximadamente vinte grandes empresas, o que levou ao início de uma investigação.

Esta pesquisa revelou que estavam sendo feitos acessos sistemáticos a contas de dúzias de defensores dos direitos humanos na China através de diferentes programas de espionagem e roubo de identidade.

"Esses ataques nos levaram a concluir que deveríamos revisar a viabilidade de nosso negócio na China", indicou o diretor.

"Decidimos que não queremos continuar com a censura de nossos resultados no Google.cn e durante as próximas semanas discutiremos com o Governo chinês as bases para que possamos operar com um motor de busca sem filtros e dentro da lei", destacou.

Drummond admitiu que esta colocação poderia levar ao fechamento do Google.cn e dos escritórios da empresa no país asiático.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h39

    0,17
    3,285
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h48

    0,14
    63.344,73
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host