UOL Notícias Notícias
 

02/02/2010 - 15h42

Amorim: "Armas nucleares são um risco para democratização global"

Paris, 2 fev (EFE).- O chanceler brasileiro, Celso Amorim, afirmou hoje, durante a conferência Global Zero, em Paris, que "as armas nucleares não são necessárias" e representam "um risco para a verdadeira democratização das relações internacionais".

Após a abertura da reunião, que defende um mundo desmilitarizado do ponto de vista atômico e até quinta-feira reunirá cerca de 200 especialistas, políticos e personalidades, o ministro das Relações Exteriores do Brasil disse que "a era da balança do mundo" baseada nos arsenais nucleares "está acabada".

Amorim, que lembrou que a Constituição de seu país garante o uso da energia nuclear apenas para fins pacíficos, ressaltou que existem outros desafios no século XXI, como a segurança alimentar.

O ministro advertiu ainda que as armas atômicas representam um "risco para a verdadeira democratização das relações internacionais".

"As armas nucleares não são necessárias, tanto do ponto de vista da segurança" como de uma óptica baseada no equilíbrio estratégico, declarou o chanceler a convidados como a rainha Noor da Jordânia, o ator Michael Douglas e o ex-secretário de Estado americano George Shultz.

Amorim também falou sobre o terremoto do Haiti. Segundo ele, o tremor, com uma capacidade de destruição equivalente à de "várias armas nucleares", devastou o país e deixou dezenas de milhares de mortos.

O diplomata brasileiro terminou sua participação com uma metáfora, ao falar da "tremenda explosão silenciosa" que significaria um mundo sem armas nucleares.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h09

    -0,10
    3,133
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h12

    0,41
    76.284,27
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host