UOL Notícias Notícias
 

02/02/2010 - 19h44

Argentina confia em maior agilidade no comércio com o Brasil

Buenos Aires, 2 fev (EFE).- O chanceler argentino, Jorge Taiana, demonstrou confiança que na próxima sexta-feira, na reunião em Buenos Aires com altos funcionários do Brasil, se alcance um acordo que dê maior agilidade ao comércio bilateral.

A reunião, que reunirá os ministros de Exteriores, Indústria e Economia dos dois países, será a primeira de uma comissão ministerial criada em novembro pelos presidentes da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, e do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, para destravar as dificuldades no comércio bilateral.

"A formação do grupo foi positiva. Certamente se avançou para resolver as diferenças de um e outro país com relação ao comércio", disse Taiana em entrevista coletiva.

O chanceler argentino assinalou que para este ano há "uma boa projeção econômica para ambos os países", que "estará refletida na troca bilateral", que no ano passado recuou pela crise internacional.

Antes do encontro ministerial que será realizado na sexta-feira em Buenos Aires, Taiana e o chanceler brasileiro, Celso Amorim, se reunirão no dia anterior para revisar uma relação que o chanceler argentino definiu como "estratégica e intensa".

O encontro servirá para preparar a visita de Lula a Buenos Aires em março, além de trocar ideias sobre a próxima cúpula do Grupo do Rio, que será realizada no México neste mês, e a situação do Haiti, entre outros assuntos.

Além dos temas comerciais, na reunião ministerial da sexta-feira serão abordados aspectos econômicos e financeiros, como uma análise do impacto da crise global, a coordenação macroeconômica e o sistema de pagamentos bilateral em moedas locais.

Sobre as relações comerciais, na quinta-feira se reunirão o secretário de Indústria argentino, Eduardo Bianchi, e o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ivan Ramalho, para analisar a evolução dos negócios.

Os funcionários analisarão a evolução dos compromissos assumidos em novembro pelos dois países para agilizar a concessão de licenças não automáticas e os acordos setoriais para estabelecer quotas de comércio.

"Sempre há reivindicações, mas por isso vamos trabalhar para ir melhorando. Saímos da etapa álgida de dificuldades e estamos em um momento bastante melhor", disse em entrevista o secretário de Relações Econômicas Internacionais da Argentina, Alfredo Chiaradia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host