UOL Notícias Notícias
 

06/02/2010 - 11h12

ANP defende proposta egípcia para reconciliação com Hamas

Cairo, 6 fev (EFE).- O dirigente palestino Mahmoud Abbas, líder do partido nacionalista Fatah, reiterou hoje seu apoio à proposta egípcia para a reconciliação com o grupo rival Hamas, depois de se reunir no Cairo com o presidente egípcio, Hosni Mubarak.

Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), afirmou que não há mais alternativa que a sugerida pelo Egito para conseguir um acordo, segundo a agência estatal egípcia "Mena".

"A reconciliação palestina começou no Egito, as facções palestinas assinaram o plano no Egito e o assunto continuará no Egito. Por isso, o acordo definitivo entre as facções palestinas será realizado no Egito", assegurou.

Em relação à possibilidade de uma reunião com o líder máximo do Hamas, Khaled Meshaal, Abbas disse que isso ocorrerá após o estabelecimento do plano de reconciliação egípcio, cuja aplicação analisou com Mubarak.

O diálogo palestino permanece paralisado desde que em outubro passado o Hamas se negou a assinar a proposta do Egito, assinada pelo Fatah. O grupo afirmou que a proposta havia incluído pontos que não tinham sido discutidos.

O plano, de 25 páginas, estabelece, entre outros assuntos, a realização de eleições presidenciais e legislativas no próximo dia 28 de junho. Ele também sugere que, nas próximas eleições, 75% das cadeiras do Parlamento sejam escolhidas proporcionalmente e o resto por circunscrições.

Nessa semana, o Governo do Cairo já avisou que não ia modificar a iniciativa, apesar das convocações atuais para o diálogo.

Para Abbas, "não há nada a acrescentar nem emendar nesse plano. Por isso, é preciso que seja aceito em sua totalidade porque anteriormente já foi modificado para satisfazer as exigências do Hamas".

Quanto à visita de quinta-feira à Faixa de Gaza do responsável de Exteriores do Fatah, Nabil Shaath, onde se reuniu com o chefe do Governo palestino, Ismail Haniyeh, Abbas explicou que se trata de algo "natural".

"Qualquer palestino tem direito a ir a Gaza e à Cisjordânia", ressaltou.

A disputa entre Fatah e Hamas aumentou em junho de 2007, quando simpatizantes do Hamas expulsaram da Faixa de Gaza as forças leais ao presidente da ANP.

Abbas informou que ontem recebeu uma delegação dos Estados Unidos com a qual discutiu a ideia do enviado especial americano para o Oriente Médio, George Mitchell, de prosseguir com suas gestões entre palestinos e israelenses como fez no passado.

Além disso, negou a existência de qualquer mudança na postura palestina em relação às negociações com Israel, especialmente, no que se refere à necessidade de que o Estado israelense suspenda primeiro a construção de assentamentos nos territórios palestinos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    09h30

    0,26
    3,137
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host