UOL Notícias Notícias
 

17/02/2010 - 15h05

Obama diz que programa de estímulo evitou depressão econômica

Washington, 17 fev (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que o programa de estímulo de seu país, que hoje completa um ano, evitou uma possível depressão econômica.

Em 17 de fevereiro de 2009, Obama assinou no Colorado a lei que autorizou o Governo a usar US$ 787 bilhões para incentivar a atividade econômica.

Diante dos milhões de desempregados, o líder reconheceu que a situação econômica atual "ainda não é de recuperação", mas para a Casa Branca o cenário seria pior sem os estímulos.

Obama enfatizou que o plano criou e evitou a destruição de 2 milhões de empregos no primeiro ano de funcionamento e salvará outros 1,5 milhão de vagas em 2010.

"Uma segunda depressão não aconteceu graças ao plano de estímulo", disse Obama, em uma referência à Grande Depressão dos anos 30.

Atualmente, o desemprego afeta 9,7% da população e o Governo prevê que chegue a 10%, em média, neste ano.

Obama pediu ao Congresso que aprove "o mais rápido possível" medidas adicionais para incentivar as contratações e criticou os legisladores republicanos por atacar o programa por motivos políticos.

Apenas três republicanos, todos no Senado, votaram a favor do programa, que seu partido criticou e definiu como um desperdício de dinheiro.

John Boehner, seu líder na câmara baixa, afirmou que as "comemorações" pelo plano demonstram que a administração "está isolada da realidade".

"O povo americano assumiu uma quantidade recorde de dívida para financiar o estímulo de US$ 1 trilhão dos democratas de Washington e um ano depois a taxa de desemprego da nação está perto de 10%", asseverou Boehner.

Obama também destacou em sua declaração que um terço dos fundos do programa foram utilizados para a redução de impostos de 95% dos americanos.

Com isso, tentou refutar a impressão refletida nas pesquisas que a sua administração aumentou tributos.

Outro terço do dinheiro do plano é destinado a ajudar os desempregados e assistir aos estados.

Obama disse que os fundos evitaram o despedido de milhares de funcionários no ano passado, mas reconheceu que em 2010 os Governos estatais poderiam ser obrigados a reduzir seus planos por sua precária situação econômica, o que preocupa a Casa Branca.

O último terço do dinheiro será usado para estabelecer bases econômicas mais robustas, que potencializem as energias alternativas, disse o presidente.

Até agora o Governo usou US$ 300 bilhões do programa e pretende fazer novas aplicações, chegando a US$ 551 bilhões até o fim de setembro.

Entre os projetos que receberão financiamento em 2010 estão ferrovias de alta velocidade, rede elétrica e a área pesquisa da saúde.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h20

    0,25
    3,137
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h25

    -0,73
    75.451,01
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host