UOL Notícias Notícias
 

18/02/2010 - 11h00

Brown diz que R.Unido tem direito de prospectar petróleo nas Malvinas

Londres, 18 fev (EFE).- O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, afirmou hoje que os habitantes das Malvinas estão protegidos e disse que a nação tem direito de prospectar petróleo em águas das ilhas.

Em uma conversa com ouvintes da "Real Rádio", emissora da Inglaterra, Brown disse que não acredita ser necessário enviar uma força especial ao Atlântico Sul.

"Tomamos todas as medidas necessárias para assegurar que os ilhéus das Falkland (como os britânicos chamam as Malvinas) estão protegidos", assinalou.

Depois da guerra de 1982, que o Reino Unido e a Argentina travaram pela posse das ilhas, Londres decidiu estabelecer a presença militar permanente no Atlântico Sul, com quatro navios e 1 mil militares nas Malvinas.

Argentina reivindica a soberania das ilhas desde 1833.

Segundo o primeiro-ministro, o que será feito em águas próximas às ilhas é uma prospecção de petróleo para o futuro.

"Está perfeitamente dentro de nosso direito fazer isso", afirmou Brown.

O chefe do Governo respondeu assim à decisão do Governo argentino de estabelecer novos controles aos navios que passem por suas águas com destino às ilhas, depois dos planos britânicos de autorizar a prospecção de petróleo.

Mas o responsável "tory" de Exteriores, William Hague, admitiu o contrário e revelou que essa presença reforçada poderia consistir "em uma embarcação (da Marinha britânica) visitar (a região) mais regularmente a região", em declarações à emissora "Rádio 4" da "BBC".

"Uma das coisas que falharam nos anos 80 é que os argentinos acreditaram que não estávamos realmente comprometidos com a defesa das ilhas. Portanto, não devemos cometer o mesmo erro", advertiu o próximo ministro britânico de Exteriores se os "tories" vencerem as eleições gerais deste ano.

Uma maior presença militar britânica ali "mostraria claramente à Argentina, com quem temos relações amistosas, que vamos ser firmes nesse ponto. Enviaria um sinal para que (os argentinos) não interpretem mal as intenções britânicas", disse Hague.

Nesta quinta-feira, o jornal "The Sun" afirmou que o Reino Unido enviou "em segredo" dois navios de guerra para reforçar a defesa naval das Malvinas e em breve chegará outro à região, fato negado por um porta-voz de Defesa.

O ministro britânico de Assuntos Exteriores desprezou o decreto da presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, relativo aos navios que entram em águas argentinas, que, segundo a Argentina, incluem toda a plataforma continental do Atlântico Sul.

O presidente do grupo parlamentar responsável pelas Malvinas, Nicholas Winterton, classificou o decreto da presidente argentina de "patético e inútil" já que a Argentina precisa de jurisdição sobre as águas em torno das Malvinas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host