UOL Notícias Notícias
 

02/03/2010 - 19h49

Michael Jackson teria recebido mais propofol do que relatado por médico

Los Angeles, 2 mar (EFE).- Especialistas puseram em xeque o depoimento do médico Conrad Murray, acusado de homicídio culposo pela morte de Michael Jackson, quanto à dose do medicamento propofol que levou ao falecimento do 'rei do pop'.

Em declarações à Polícia após a morte do cantor, Murray disse ter injetado em Michael uma pequena quantidade (2,5 mililitros) do calmante. No entanto, o anestesista John Dombrowski, membro da sociedade americana de anestesistas, disse ao site "TMZ" que essa dose não teria sido suficiente nem para induzir ao sono.

O relatório do legista constatou, por sua vez, que o rei do pop tinha em seu corpo vestígios de propofol equivalentes à quantidade usada para conseguir uma "anestesia geral para uma cirurgia grave".

Segundo a autópsia, Michael Jackson morreu em 25 de junho de 2009 devido a uma intoxicação aguda por medicamentos, principalmente propofol.

Murray foi acusado formalmente em fevereiro passado de homicídio culposo pela morte do astro e ficou em liberdade mediante pagamento de fiança à espera do julgamento, que começará em 5 de abril em Los Angeles.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host