UOL Notícias Notícias
 

08/03/2010 - 22h09

Israelenses e palestinos aceitam negociações indiretas, dizem EUA

(Atualiza com declarações do porta-voz do departamento de Estado).

Washington, 8 mar (EFE).- O Governo dos Estados Unidos assegurou hoje que as autoridades israelenses e palestinas aceitaram manter negociações indiretas de paz moderadas pelo enviado especial do país no Oriente Médio, George Mitchell.

"Estou contente com o fato de as autoridades israelenses e palestinas terem aceitado as conversas indiretas", disse Mitchell, em comunicado divulgado pelo departamento de Estado em Washington.

O representante americano, que está na região para impulsionar as negociações de paz, afirmou ter começado a discutir a "estrutura e o alcance" dessas negociações com ambas as partes, e garantiu que voltará na próxima semana, para continuar suas conversas com israelenses e palestinos.

Mitchell, que não anunciou uma data para o início do diálogo indireto, manifestou a esperança do Governo dos EUA de que essas conversas "levem o mais rápido possível ao começo de negociações diretas".

Por enquanto, ainda não está claro se as conversas indiretas já começaram, mas o porta-voz do departamento de Estado americano, Philip Crowley, disse achar que já estavam em andamento.

"Acho que já começaram. Acho que estão em andamento", afirmou.

Pressionado pela imprensa, Crowley disse ter certeza de que o diálogo indireto já começou.

"Também encorajamos novamente às partes envolvidas para que se abstenham de qualquer declaração ou atitude que possa aumentar a tensão ou prejudicar o resultado dessas conversas", acrescentou Mitchell, ao anunciar o que pode ser classificado como o primeiro êxito da diplomacia americana neste conflito durante o mandato de Obama.

O apelo foi feito após a divulgação de que Israel autorizou a construção de 112 novas casas em um assentamento judeu na Cisjordânia, o que levou o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, a questionar a disposição do governo israelense a dialogar com os palestinos.

O porta-voz do departamento de Estado explicou que os EUA falaram com Israel sobre o projeto de construção desses imóveis.

"Discutimos este projeto com os israelenses. Nos informaram que não se trata de um novo projeto, e sob os termos da moratória anunciada por Israel em novembro, a construção pode ser completada", afirmou Crowley.

Portanto, os EUA entendem o projeto "não viola" a moratória, mas considera que ambas as partes devem agir com cautela.

"Quando há conversas deste tipo, se deve levar em conta os interesses e percepções da outra parte. E as duas partes devem ser cautelosas quanto a ações que possam ser percebidas de maneira equivocada ou exploradas por aqueles que querem prejudicar os avanços", afirmou o porta-voz.

A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) aceitou formalmente no domingo iniciar negociações de paz indiretas com Israel.

O anúncio de Mitchell também acontece no mesmo dia em que o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, chegou ao Oriente Médio para se reunir com as autoridades israelenses e palestinas e com outros líderes da região.

A realização das negociações indiretas foi respaldada na quarta-feira pelo Comitê da Iniciativa Árabe - a oferta de paz proposta a Israel pela Liga Árabe em 2002 e 2007 -, cujos membros deram a Abbas um tempo de quatro meses.

A fórmula adotada por Washington dará fim a 14 meses de interrupção nas negociações de paz que israelenses e palestinos começaram na Conferência de Annapolis (EUA) no final de 2007, processo que se viu truncado pela ofensiva militar israelense em Gaza.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host