UOL Notícias Notícias
 

12/03/2010 - 06h32

Britânico diz que foi torturado durante sequestro no Iraque

Londres, 12 mar (EFE).- O britânico Peter Moore, que sobreviveu a um sequestro de mais de dois anos e meio no Iraque, afirma ter sido torturado de várias formas no cativeiro.

Em entrevista publicada pelo jornal "The Times", Moore, de 36 anos, um especialista em informática sequestrado pouco tempo depois de chegar a Bagdá e libertado em dezembro do ano passado, disse ter passado por várias simulações de execução.

Em uma das ocasiões, uma pessoa apontou uma arma em sua cabeça e apertou o gatilho, enquanto outra disparava simultaneamente uma arma carregada.

"No primeiro momento pensei que estava morto, e a morte não era tão dolorosa como imaginava. Mas imediatamente entendi o que se passava, me dei conta de que seguia com as mãos amarradas e com os olhos vendados, e que as pessoas ao redor de mim riam" lembra Moore.

O britânico nega na entrevista as informações publicadas na imprensa de seu país, que garantia que imediatamente depois do sequestro ele foi levado ao Irã como parte de um complô idealizado pela Guarda Republicana da República Islâmica.

"Ouvimos a passagem de um trem e muitas explosões de morteiros. Não era o Irã, de forma alguma", afirma.

Enquanto estava no cativeiro, Moore inventou a história de uma esposa brasileira, doutora especialista em malária que se chamaria Emma de Souza, para tentar sensibilizar os sequestradores. Ele também fingiu ser católico.

O ex-refém acusa elementos do Governo iraquiano de cumplicidade em seu sequestro.

Moore foi capturado em maio de 2007 junto aos guarda-costas de um edifício do Ministério de Finanças do Iraque em maio de 2007 por cinquenta homens vestidos com o uniforme das forças de segurança do país que viajavam em viaturas da polícia.

Segundo ele, pessoas dos Ministérios do Interior e de Finanças do Iraque deviam estar no grupo, devido à complexidade da operação.

Durante todo o cativeiro, os sequestradores deixaram claro que queriam trocar cinco reféns britânicos por vários de seus dirigentes detidos pelas forças do Reino Unido no Iraque e que estavam sob controle dos norte-americanos.

A libertação aconteceu depois que os americanos soltaram Laith al-Jazali, primeiramente, e depois outros presos iraquianos, inclusive o mais importante dos que estavam em poder dos EUA, Qais al-Jazali.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host