UOL Notícias Notícias
 

12/03/2010 - 02h58

Piñera assume e convoca chilenos a ajudar a reconstruir o país

Santiago do Chile, 11 mar (EFE).- O novo presidente do Chile, Sebastián Piñera, convocou hoje seus compatriotas a realizar uma reconstrução material e espiritual do país, gravemente afetado pelo terremoto do último dia 27 de fevereiro, que causou cerca de 500 mortes e muitos prejuízos.

"Quero convocar os chilenos para construirmos sobre rocha, e não sobre areia, o que foi destruído", assinalou Piñera, em referência à devastação causada pelo terremoto e o tsunami que poucos minutos depois inundou localidades litorâneas do centro e sul do Chile.

Piñera assumiu hoje a Presidência do país em breve cerimônia marcada por novos tremores de terra e na presença de sete presidentes latino-americanos e muitos outros convidados.

Pouco depois da cerimônia, Piñera viajou às zonas afetadas pelos abalos, e como primeira medida declarou o estado de catástrofe na região de O'Higgins, que hoje sofreu um novo abalo, com 6,9 graus.

Também poucas horas após ter assumido a presidência em cerimônia realizada no Congresso Nacional, Piñera anunciou que seu Governo vai entregar um bônus de US$ 80 para as famílias mais pobres.

Esta ajuda, que deve ser aprovada pelo Parlamento e terá um custo de US$ 320 milhões, beneficiará as pessoas que recebem um subsídio único ou uma atribuição do programa "Chile Solidário", iniciado por sua antecessora, Michelle Bachelet.

A medida beneficiará 4,2 milhões de pessoas, e não está diretamente relacionada com o plano que o Governo iniciará para ajudar a reconstrução após o terremoto, chamado de "Levantemos, Chile".

O bônus pretende reduzir as despesas a que os chilenos devem ter em março, devido ao pagamento de diversos impostos e o início do ano letivo.

Instituições americanas calcularam que o terremoto e o tsunami ocorridos há duas semanas causarão ao país prejuízos que devem ficar entre US$ 15 bilhões e US$ 30 bilhões.

Além disso, analistas consultados pela agência Efe calculam que o acidente natural terá um certo impacto no crescimento do país no ano, que passará de 5,4% a 5%.

Piñera, que durante a campanha prometeu criar um milhão de postos de trabalho e um ritmo de crescimento anual de 6%, reconheceu antes de assumir o poder que o Governo deverá mudar suas prioridades para enfrentar as despesas derivadas da tragédia.

Mas, enfatizou que não será "o presidente do terremoto, mas o presidente da reconstrução".

Por isso, nesta quinta-feira, mal terminou de pronunciar seu primeiro discurso como presidente e após breve cerimônia em homenagem às vítimas do tremor, Piñera se reuniu no Palácio de la Moneda com todos seus ministros para começar a preparar as primeiras medidas do gabinete.

Pouco antes, em seu primeiro discurso, pronunciado do balcão do palácio, Sebastián Piñera chamou seus compatriotas para "uma nova transição para construir um país desenvolvido, sem pobreza e com verdadeiras oportunidades de igualdade, qualquer que seja o berço" Após reconhecer que assume o poder "em um momento histórico e também dramático", o novo líder lembrou o exemplo dado pelos "heróis anônimos do Bicentenário", em referência às pessoas que durante a recente tragédia deram um exemplo de coragem, que salvou vidas.

"Nosso país cresceu na adversidade. Nada nos foi dado, tudo foi conquistado com coragem, esforço e muita vontade. Temos a certeza de que vamos superar estes tempos de adversidade", enfatizou.

Sobre a longa mesa de reuniões, além da extensa documentação entregue pelo Executivo anterior, havia 22 capacetes de obras, como símbolo do compromisso assumido pelas novas autoridades de fazer andar os trabalhos de reconstrução andarem o mais rápido possível.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h30

    -1,27
    3,141
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h31

    0,74
    70.528,97
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host