UOL Notícias Notícias
 
24/03/2010 - 15h56

Governo de Chávez diz que não reconhecerá os rebeldes da Líbia

Caracas, 24 mar (EFE).- O Governo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, não reconhecerá os rebeldes da Líbia e manterá seu apoio ao líder Muammar Kadafi, informou o vice-ministro das Relações Exteriores para a África, Reinaldo Bolívar.

"A Venezuela não vai reconhecer as pessoas que estão em Benghazi. Reconhece o Governo legítimo da Líbia e, se o povo escolher outro Governo legítimo, será reconhecido no contexto do direito internacional", disse Bolívar em entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal oficial "Correo del Orinoco".

O vice-chanceler assegurou que no país africano "não havia problemas até uma coalizão liderada por Estados Unidos e países europeus dar início Aos bombardeios" e agora se trata de "uma região insegura".

Ele ressaltou que as Nações Unidas "puseram uma corda no pescoço, pois é a primeira vez que o organismo apoia um grupo rebelde, um grupo que se declarou em guerra", o que, segundo ele, é "perigosíssimo".

"As Nações Unidas aprovariam um bombardeio sobre os EUA porque há um grupo em Porto Rico que quer a independência?", questionou.

Bolívar afirmou, além disso, que "há uma tentativa de matar o líder da revolução líbia" e qualificou o discurso dos países aliados como "cínico" por estabelecer uma zona de exclusão aérea e bombardear Trípoli.

Chávez, que manteve contato com Kadafi nas últimas semanas e defende sua amizade com o líder líbio, condenou reiteradamente a intervenção militar de EUA e seus aliados europeus e os acusou de estarem "enlouquecidos" pelo petróleo e de querer se apropriar das reservas monetárias do país africano em momentos de crise.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host