UOL Notícias Notícias
 

05/04/2010 - 13h19

Atividades escolares recomeçam no Haiti, 3 meses após o terremoto

Porto Príncipe, 5 abr (EFE).- As escolas recomeçaram suas atividades no Haiti quase três meses depois do terremoto que assolou o país mais pobre das Américas, em 12 de janeiro e que causou 222.500 mortos e 1,5 milhão de desabrigados.

O Ministério da Educação convidou às escolas que tem condições a retomar as atividades e a começar por sessões de apoio psicossocial a fim de facilitar a readaptação das crianças traumatizadas pela catástrofe.

Um comunicado do ministério precisou que 500 locais foram preparados para receber os estudantes. Também foram elaborados novos programas e calendários para o período letivo abril-agosto.

As escolas afetadas pelo terremoto receberão 3 mil barracas para as salas de aula.

As autoridades estimam que US$ 2 bilhões serão necessários para a reativação da educação, que resultou muito afetado pelo devastador sismo.

Cerca de 80% das 5 mil escolas primárias e secundárias do país ficaram "gravemente danificadas" pelo terremoto e 30% "totalmente destruídas", segundo uma fonte local.

Dezenas de milhares de alunos, professores e empregados das escolas morreram no desastre.

A entidade que reúne professores criticou a decisão de retomar as atividades escolares nas zonas atingidas pelo terremoto, já que a estrutura é deficitária.

Para a associação, o reatamento só beneficiará uma minoria de alunos, e afirmou que muitos professores não receberam seus salários e que os pais não têm recursos para preparar o retorno de seus filhos às escolas.

O Fundo da ONU para a Infância (Unicef) disse hoje que a reabertura da docência "é um primeiro passo em uma operação que espera levar mais de 700 mil estudantes às salas de aula durante os dois próximos meses e acrescentar esse número em direção ao ano letivo que começa em setembro".

A representante do organismo no Haiti, Françoise Gruloos-Ackermans, assinalou em comunicado que na nação caribenha "a demanda de educação é muito alta".

No Haiti, acrescentou, "há um grande desejo de aprender tanto entre meninos e meninas quanto por parte de suas famílias".

O terremoto de 12 de janeiro causou a morte de 38 mil estudantes, mais de 1,3 mil professores e outro pessoal docente, e destruiu mais de 4 mil escolas e o Ministério da Educação, precisou Unicef em seu comunicado.

"Todos os dados do sistema educacional foram perdidos e se estima que ao redor de três milhões de estudantes viram interrompida sua educação ou deixaram de assistir à escola totalmente", assinalou.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,63
    3,167
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,87
    65.667,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host