UOL Notícias Notícias
 

06/04/2010 - 09h53

China executa cidadão japonês por tráfico de drogas

Pequim, 6 abr (EFE).- A justiça chinesa executou hoje um japonês por tráfico de drogas, a primeira pena de morte aplicada a um cidadão do Japão na China desde que os dois países normalizaram os laços diplomáticos em 1972.

Segundo um comunicado publicado pela Corte Suprema e distribuído pela agência oficial de notícias "Xinhua", Mitsunobu Akano foi morto nesta terça-feira na província nordeste de Liaoning, depois de ter se despedido de sua família ontem no centro de detenção de Dalian.

Akano, de 65 anos, foi condenado à morte em junho de 2008, após ser detido no ano de 2006 com 2,5 quilos de drogas que pretendia levar para o Japão a partir do aeroporto de Dalian.

Segundo o comunicado, algumas das drogas encontradas estavam na bagagem de um cúmplice, mas o informativo não dá detalhes sobre esta pessoa.

O cidadão japonês apelou sem sucesso à condenação e no ano passado a Corte Suprema ratificou a pena máxima. Em 29 de março, Pequim comunicou Tóquio sobre a execução.

A nota ressalta que o tribunal tinha provas claras e irrefutáveis do tráfico de drogas, por isso que a pena de morte foi ditada e cumprida segundo a legislação chinesa.

Embora a imprensa japonesa assinale que a execução de hoje poderia abalar as complicadas relações entre as duas potências asiáticas, a mesma lembra que em julho de 2009 um chinês foi condenado no Japão por assassinar três compatriotas em Kawasaki em 1999.

A reação hoje do Governo japonês com relação à notícia foi morna: o primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, a classificou como "lamentável" e se limitou a dizer que espera que isso não afete às relações bilaterais com Pequim.

Hatoyama, que previsivelmente viajará à China em junho para assistir ao Dia do Japão na Expo Xangai 2010, pediu "calma" à população japonesa.

Em termos parecidos se manifestou a porta-voz de turno do Ministério de Exteriores chinês, Jiang Yu, quem afirmou em entrevista coletiva que "confere grande importância aos laços entre China e Japão, e não acredito que este fato afete as relações entre os dois países".

Além disso, Jiang disse que "informou a parte japonesa que as autoridades judiciais seguiram estritamente a lei e tomaram a decisão garantindo os direitos legítimos envolvidos durante o processo".

Na sexta-feira passada, o ministro japonês de Exteriores, Katsuya Okada, disse que o Governo chinês tinha informado ao japonês de sua intenção de executar a outros três japoneses também condenados à morte por tráfico de drogas na China.

Os três japoneses são Teruo Takeda, Hironori Ukai e Katsuo Mori.

Em referência a estes condenados, a China assinalou hoje que "o tráfico de drogas é mundialmente conhecido como um delito grave e à pena de morte serve para preveni-lo".

Muito estrangeiros foram executados na China nas últimas décadas, embora conheça pelo menos outro caso de um japonês, Ruichi Yamaguchi, que em 1951 foi fuzilado com o italiano Antonio Riva por supostamente tentar assassinar o então líder chinês, Mao Tse-tung, e a outros altos cargos do regime comunista chinês.

Há três meses, o britânico de origem paquistanesa Akmal Shaikh, de 53 anos e com supostos problemas mentais, foi condenado à morte por entrar na China com 4 quilos de heroína, o que gerou duras críticas por parte do Executivo britânico e de grupos de direitos humanos.

Na semana passada, Anistia Internacional (AI) apresentou um relatório sobre a pena de morte no qual criticava especialmente à China por não revelar o número de pessoas que executas anualmente.

Em 2008, AI documentou 1,7 mil execuções, enquanto a Fundação Dui Hua eleva o número a mais de 5 mil.

O regime comunista modificou em 2004 o sistema judiciário chinês obrigando a revisão de todas as penas de morte pela Corte Suprema (antes só bastava com a confirmação de judicaturas locais), o que conseguiu uma notável queda.

Embora não existam números oficiais publicados porque isso é considerado segredo de Estado, a queda, conforme diversas fontes, pode ficar entre 20% e 50%.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host