UOL Notícias Notícias
 

25/04/2010 - 18h27

Conservadores ganham parlamento na Húngria com maioria arrasadora

Marcelo Nagy.

Budapeste, 25 abr (EFE).- O partido conservador de oposição Fidesz teve uma vitória arrasadora no segundo turno das eleições legislativas na Hungria, recebendo o sinal verde para governar sem necessidade de negociar com outras forças políticas com mais de dois terços das cadeiras parlamentares.

O líder do Fidesz, Viktor Orbán, qualificou a vitória que colocou a direita de volta no governo como "histórica", "uma verdadeira revolução".

Segundo a Comissão Eleitoral Nacional, com 97,5% dos votos apurados o Fidesz aumentou em 60% o número de seus deputados, obtendo 263 das 386 cadeiras do Parlamento húngaro.

Pela primeira vez entra na câmara o partido de extrema direita Jobbik, com 47 deputados, e os ecologistas do LMP, 16.

Após permanecer no poder durante os últimos oito anos, o grande perdedor foi o partido governista MSZP, que passa para oposição e reduz suas cadeiras para 59, dos 190 assentos que tinha antes.

Após confirmar a grave derrota, o presidente do MSZP, Ildikó Lendai, anunciou que renunciará com toda a direção do partido.

Os socialistas foram castigados pelos severos ajustes que se viram obrigados a fazer para receber um apoio internacional de 20 bilhões de euros em 2008 a fim de salvar o país da quebra.

Em sua campanha eleitoral, Orbán prometeu reduzir os impostos, aumentar a competitividade do país, e não continuar com a política econômica do independente Gordon Bajnai, mas os observadores estimam que o novo gabinete terá pouco espaço para introduzir mudanças profundas.

Respeito ao empréstimo de 20.000 milhões de euro, que a Hungria recebeu do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Mundial, e da União Europeia, Obrán considera necessário renegociar certos aspectos, já que não será possível manter limitado o déficit fiscal ao 3,8 %, previsto para este ano.

Alguns analistas opinam possível concordar com o FMI um déficit de até o 5 % para 2010, o que permitiria ao novo gabinete aliviar os ajustes.

De todas as formas, com a maioria de dois terços no Parlamento, o Fidesz poderá adotar facilmente as reformas que propõe, como a redução do número de representantes da assembleia unicameral, a reforma do sistema administrativo, a lei sobre os meios de comunicação pública, e a da possível cidadania dos húngaros que vivem como minoria nos países limítrofes.

A crise e o descontentamento popular não só fortaleceram o Fidesz, mas também os ultradireitistas do Jobbik ("O melhor"), liderados pelo jovem Gábor Vona, de 31 anos, que souberam aproveitar o descontentamento da população para aumentar sua popularidade com um discurso populista, racista e anti-semita.

Estas eleições, as sextas desde a queda da Cortina de Ferro, já mudaram o mapa político do país, já que no primeiro turno ficaram fora do Parlamento os dois motores da transição do comunismo à democracia: os liberais da Aliança de Democratas Livres e os conservadores do Fórum Democrático.

O presidente da República, László Sólyom, responsável de encarregar a formação do novo Executivo, prometeu hoje acelerar o processo para que o país conte o mais rápido possível com um novo Parlamento e Governo interino.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h00

    -0,48
    3,260
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h06

    1,50
    62.600,43
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host