UOL Notícias Notícias
 

12/05/2010 - 18h06

Projeto de lei dá direto de estados dos EUA vetarem explorações em alto-mar

(Atualiza com declarações de Obama).

Teresa Bouza.

Washington, 12 mai (EFE).- Os senadores John Kerry e Joe Lieberman apresentaram hoje um projeto de lei de reforma energética nos Estados Unidos, que contempla as explorações de petróleo em alto-mar e dá aos estados litorâneos o poder de vetá-las.

A legislação busca reduzir em 17% as emissões de carbono até 2020 e em mais de 80% até 2050, frente aos níveis de 2005, e contempla também incentivos para aumentar a geração de energia elétrica por meio de usinas nucleares.

O presidente dos EUA, Barack Obama, apoiou hoje o projeto e disse esperar que seja aprovado ainda este ano.

"Os desafios que enfrentamos, ressaltados pela imensa tragédia no Golfo do México, são motivo para redobrar nossos esforços para reformar as políticas energéticas de nosso país", disse Obama, em comunicado.

"Espero trabalhar com os senadores dos dois partidos e que o projeto de lei seja aprovado este ano", declarou.

A esperada legislação foi revisada nas últimas semanas por causa do vazamento de óleo no Golfo do México, que ameaça causar o pior desastre ecológico da história dos EUA e que diminuiu o apoio às explorações em alto-mar.

O acidente aconteceu no dia 20 de abril, com a explosão de uma plataforma de petróleo operada pela British Petroleum (BP) que afundou dois dias depois, causando, desde então, o vazamento de 800 mil litros diários de óleo nas águas do Golfo do México.

Uma enquete realizada pela empresa Rasmussen na semana passada aponta que dois terços dos eleitores americanos estão preocupados com o impacto ambiental do derramamento de óleo.

Além disso, a influente divisão de meio ambiente do Grupo Pew pediu na terça-feira que fossem paralisadas todas as explorações em águas profundas até que sejam estabelecidos "robustos e seguros padrões ambientais" e apontou que o ocorrido no Golfo do México mostra "lapsos significativos" na política americana.

Com esse cenário de fundo, a nova legislação suavizou a defesa das explorações de petróleo.

O Partido Democrata, com maioria no Congresso, confiava em que a defesa das explorações o ajudasse a obter apoio entre a oposição republicana, em uma estratégia que foi radicalmente alterada pelo acidente no Golfo do México.

A legislação apresentada hoje concede aos estados o poder de rejeitar projetos de exploração que estejam a 120 quilômetros de suas costas e também os permite vetar os planos de estados vizinhos se demonstrarem que um acidente teria "um impacto adverso significativo" em seus territórios.

Os estados que aprovarem os projeto de exploração poderão arrecadar 37,5% da receita federal gerada. Atualmente, o Departamento do Tesouro americano recebe o dinheiro obtido pelo Governo federal.

Além das polêmicas explorações petrolíferas, o projeto tem o objetivo de que os EUA, um dos países mais poluentes do planeta, assumam a liderança no âmbito da produção de energias limpas.

As companhias elétricas americanas, as fábricas, refinarias e veículos emitem na atmosfera cerca de 6,4 milhões de toneladas métricas de poluentes, um nível de poluição que só é superado pela China.

"Podemos finalmente dizer ao mundo que os EUA estão prestes a assumir seu papel como líder mundial em energias renováveis", disse Kerry, um dos defensores do projeto.

Por sua parte, Lieberman insistiu em que o projeto "gerará empregos e transformará a economia americana", ao aumentar a independência energética do país.

Mas além da declaração de intenções existe o consenso em que a legislação enfrenta um futuro incerto em um ano em que serão realizadas eleições legislativas.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h18

    -0,06
    3,134
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h29

    -0,13
    75.891,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host