UOL Notícias Notícias
 
24/05/2010 - 20h33 / Atualizada 24/05/2010 - 20h44

Forças do Exército da Jamaica trocam tiros com seguidores de traficantes

Kingston, 24 mai (EFE).- Forças do Exército da Jamaica trocaram tiros hoje com grupos de seguidores fortemente armados do narcotraficante Christopher "Dudus" Coke, no bairro de Tivoli Gardens, na capital Kingston.

Pelo menos dois soldados ficaram gravemente feridos, um deles por um tiro no peito, em uma operação com o objetivo de controlar uma região de Tivoli Gardens onde seguidores de Coke se entrincheiraram, já que o Governo jamaicano tenta prendê-lo e extraditá-lo para os Estados Unidos.

Segundo fontes policiais, os disparos e as fortes explosões foram registrados na região, repleta de barricadas, enquanto no restante dos bairros mais pobres da cidade é mantida uma relativa calma.

O bairro de Tivoli Gardens, na zona leste da capital Kingston, é uma das regiões de maior influência de Coke, considerado o maior traficante de drogas da Jamaica e que mantém uma ampla rede de apoio entre as classes mais pobres do país.

Coke é conhecido por ajudar os pobres a pagar suas dívidas ou despesas médicas com o fim de receber o apoio das classes populares, em uma estratégia similar à seguida pelo falecido traficante Pablo Escobar na Colômbia.

Além dos soldados feridos, outras duas pessoas morreram nos enfrentamentos que começaram no fim de semana e aumentaram no domingo, o que obrigou o Governo da Jamaica a declarar estado de emergência no país.

Um dos mortos é um policial e não se sabe o número de vítimas entre os que apoiam Coke.

Os graves distúrbios começaram no fim de semana quando a Polícia pretendia prender Coke, de 41 anos, considerado o responsável por uma ampla rede de tráfico de drogas e de armas.

A Polícia recebeu a ordem do Governo jamaicano de deter o traficante para que compareça perante a Justiça antes de ser extraditado a Nova York, onde será julgado por vários crimes de narcotráfico.

"O estado de emergência será mantido por um mês, salvo se as forças de segurança recomendarem que seja levantado", disse o primeiro-ministro jamaicano, Bruce Golding.

"Este é um momento crucial da Jamaica para enfrentar os poderes perniciosos que abalaram a segurança da sociedade e que nos transformou em uma das capitais com o maior índice de criminalidade do mundo", acrescentou Golding.

Grupos armados atacaram quatro delegacias da Polícia e vários veículos oficiais foram roubados e posteriormente queimados.

A extradição de Coke foi solicitada pelos Estados Unidos há quase um ano, mas, até o momento, Golding se opôs a ela. O traficante será julgado por sua suposta responsabilidade por uma extensa rede internacional de narcotráfico, que gera milhões de dólares anualmente.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h40

    -0,68
    3,115
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h46

    -0,68
    75.457,02
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host