UOL Notícias Notícias
 
24/05/2010 - 06h04 / Atualizada 24/05/2010 - 11h02

Israel ofereceu ogivas nucleares à África do Sul do apartheid


Em Londres (Reino Unido)

Israel ofereceu ogivas nucleares ao regime segregacionista sul-africano em 1975, segundo documentos secretos que constituem a primeira prova documental da posse de armas atômicas pelo Estado judeu.

Minutas das reuniões realizadas por altos dirigentes de ambos os países em 1975 indicam, segundo informa hoje o jornal britânico "The Guardian", que o ministro de Defesa sul-africano, Pieter Willem Botha, solicitou as bombas e seu colega israelense Shimon Peres, hoje presidente de Israel, as ofereceu "em três tamanhos".

Ambos os políticos assinaram também um amplo acordo que incluía uma cláusula pela qual se declarava secreta a própria existência desse comprometedor documento.

O documento, descoberto pelo acadêmico americano Sasha Polakow-Suransky enquanto preparava um livro em torno da estreita relação entre os dois países, prova que Israel dispõe do arma atômica apesar de sua política de "ambiguidade" pela qual nem o nega nem o confirma.

Segundo "The Guardian", as autoridades israelenses tentaram impedir que o Governo sul-africano pós-apartheid desclassificasse o documento a pedido de Polakow-Suransky.

Essa revelação tem especial importância esta semana na qual as conversas sobre não-proliferação nuclear que se realizam em Nova York se centram na situação do Oriente Médio.

Também joga por terra a pretensão israelense de se apresentar como um país "responsável" que em nenhum caso abusaria de suas bombas nucleares, ao contrário de outros como o atual Irã.

Polakow-Suranksy dedicou ao tema um livro intitulado "The Unspoken Alliance: Israel's secrety alliance with apartheid South África", que será publicado esta semana nos Estados Unidos.

Segundo o autor, entre as pessoas que participaram daquela reunião no dia 31 de março de 1975 estava o chefe do Estado-Maior sul-africano, o tenente-general RF Armstrong.

Este elaborou imediatamente um memorando que assinalava os benefícios que representaria para o país a obtenção dos mísseis Jericho armados com ogivas nucleares.

Pouco mais de duas semanas mais tarde, no dia 4 de junho, Peres e Botha tiveram uma reunião em Zurique na qual se tratou do projeto Jericho.

As minutas secretas dessa segunda reunião assinalam que "o ministro Botha expressou seu interesse em um número limitado de unidades, sempre e quando estivesse disponível a carga correta".

E o documento continua: "O ministro Perez explicou que a carga correta estava disponível em três tamanhos. O ministro Botha expressou sua gratidão e disse que pediria conselho".

Segundo o jornal, a expressão "três tamanhos" se refere supostamente aos três tipos de armas: convencionais, químicas e nucleares.

Israel não tinha recorrido ao eufemismo, "carga correta" para se referir a armas convencionais e reflete a sensitividade israelense em tudo ao que se relaciona a suas armas nucleares.

Isso só pode se referir a armas nucleares já que o memorando do tenente-general sul-africano Armstrong deixa perfeitamente claro que a África do Sul estava interessada nos mísseis Jericho só para transportar armas nucleares.

O acordo não chegou a ser assinado, em parte pelo custo que representava. Além disso, seria necessário a aprovação final do primeiro-ministro israelense, o que não era de todo seguro, escreve "The Guardian".

A África do Sul chegou a fabricar suas próprias armas atômicas, possivelmente com ajuda israelense, mas a colaboração entre ambos os países em matéria de tecnologia militar se intensificou ao longo dos anos.

A África do Sul proviu a Israel boa parte do urânio que este país precisava para desenvolver suas armas nucleares.

Os documentos confirmam a versão do ex-chefe naval sul-africano Dieter Gerhard, preso em 1983 por espionar a favor da União Soviética.

Após sua libertação, Gerhard disse que existia um acordo entre Israel e África do Sul que consistiu em uma oferta pelo Estado judeu de armar oito mísseis tipo Jericho com "ogivas especiais", termo que, segundo aquele, se referia às nucleares.

 

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host