UOL Notícias Notícias
 
26/05/2010 - 18h25 / Atualizada 26/05/2010 - 18h51

PRD mantém candidato preso por suposto nexo com narcotráfico

México, 26 mai (EFE).- O partido do candidato a governador do estado mexicano de Quintana Roo, Gregorio Sánchez Martínez, o oposicionista Partido da Revolução Democrática (PRD), defendeu hoje o candidato preso por supostos nexos com as organizações criminosas Los Zetas e os Beltrán Leyva.

Em entrevista coletiva realizada hoje, o presidente nacional do PRD, Jesús Ortega, assegurou que a prisão do candidato tem uma motivação "político-eleitoral" que a Procuradoria Geral da República (PGR) trata de justificar "com um manejo perverso de instrumentos jurídicos e instituições legais".

Ortega disse que enquanto esta situação é esclarecida, Martínez - que também é acusado de lavagem de dinheiro e crimes contra a saúde - segue sendo o candidato oficial da aliança de partidos de esquerda integrada pelo PRD, o Partido do Trabalho (PT) e a Convergência paras as eleições do dia 4 de julho.

A Procuradoria detalhou que suas investigações apontam que Martínez tem nexos com o cartel dos Beltrán Leyva e com Los Zetas, organizações criminosas que o candidato supostamente brindava com "informações e proteção", facilitando suas operações em Quintana Roo.

O caso começou no dia 15 de janeiro, com base em "uma denúncia anônima" à qual somaram-se "as declarações de testemunhas protegidas" e "de gente que atualmente se encontra sujeita a processo" ligada ao candidato a governador, detalhou o porta-voz da Procuradoria, Ricardo Nájera.

A principal acusação é de lavagem de dinheiro, mas também pesam denúncias de fomento ao narcotráfico e possível pertencimento ao crime organizado, acrescentou o porta-voz.

Ele lembrou que o PRD foi notificado em janeiro da situação, e mesmo assim apresentou Martínez como candidato.

Esta manhã o aspirante a governador foi levado para uma prisão no estado de Nayari (oeste do México) e ficou à disposição do tribunal, que deve interrogá-lo em breve.

Segundo o PRD, Martínez, ex-prefeito de Benito Juárez - o município onde se encontra Cancún-, em Quintana Roo, conserva ainda todos seus direitos políticos intactos, situação que pode mudar caso seja considerado culpado.

A Secretaria de Governo (Interior), por sua vez, destacou em comunicado que as declarações da Procuradoria "não têm critérios de afiliação ou simpatia política alguma" e se concentram "exclusivamente" na conduta pessoal do candidato preso à espera de que a Justiça se pronuncie sobre sua situação.

Perante as eleições para governador que serão realizadas em uma dúzia de estados no dia 4 de julho, o Governo Federal "referenda sua responsabilidade" para garantir "as condições necessárias para que a votação seja levada a cabo de forma pacífica e ordenada".

Finalmente o presidente do Senado mexicano, Carlos Navarrete, do PRD, disse hoje que a detenção do candidato pelo Governo de Quintana Roo é uma medida com fins "eleitorais e políticos".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host