UOL Notícias Notícias
 
27/05/2010 - 17h40 / Atualizada 27/05/2010 - 17h48

Hillary diz que Brasil é amigo dos EUA, apesar de política com Irã

Washington, 27 mai (EFE).- A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, afirmou hoje que o Brasil é um parceiro e amigo "muito responsável e efetivo" de Washington, apesar de existir um "desacordo muito sério" entre os dois países no que diz respeito às relações com o Irã.

A chefe da diplomacia americana fez essas declarações ao ser questionada na Instituição Brookings sobre a postura atual do Brasil para o Governo dos Estados Unidos e sobre o acordo de troca nuclear feito entre Brasil, Turquia e Irã.

"Certamente temos desacordos muito sérios com a diplomacia do Brasil para o Irã", assinalou.

O Governo de Barack Obama indicou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao chanceler brasileiro Celso Amorim que os Estados Unidos consideram que o acordo com o Irã "torna o mundo mais perigoso, não menos", explicou Hillary.

Nesse sentido, o debate ficou em torno da pergunta de qual é a postura responsável que se deve tomar frente ao desafio nuclear do Irã.

"Eles têm uma perspectiva diferente" sobre esse assunto, têm seus próprios argumentos e "não estão agindo com impulso", disse, ressaltando que os Estados Unidos não estão de acordo com este enfoque.

Washington considera que os iranianos estão usando o Brasil e que é momento de negociar uma quarta rodada de sanções no Conselho de Segurança da ONU. Para os EUA, somente depois Teerã conseguirá negociar seriamente a questão de seu programa nuclear, explicou Hillary.

Brasil e Turquia chegaram no último dia 17 a um acordo de troca nuclear com o Irã. Segundo os termos negociados, Teerã deverá enviar à Turquia 1,2 tonelada de urânio pouco enriquecido e receber no prazo de um ano 120 quilos de combustível nuclear para utilizar em seu reator médico.

Apesar de valorizar os esforços de Brasil e Turquia, os Estados Unidos expressaram reservas ao acordo.

Washington critica o Irã por dizer que continuará enriquecendo urânio a 20%, caso se negue a conversar seriamente sobre seu programa nuclear.

"Eu vejo o Brasil como parte da solução. Vejo o Brasil tendo recursos extraordinários e capacidades para agir contra os problemas em nosso continente e cada vez além" em outras partes do mundo, indicou Hillary.

A secretária, no entanto, ressaltou que isso não significa que os Estados Unidos "sempre irão fazer o papel de acordo com a política do Governo brasileiro".

Segundo ela, "nossos desacordos não prejudicam de nenhuma maneira nosso compromisso de ver o Brasil como um amigo e parceiro neste continente e além".

Os EUA querem uma relação com o Brasil que se prolongue no tempo, não importando quem seja o presidente em Washington ou em Brasília, destacou Hillary. "Percebo muito que em vários assuntos importantes o Brasil é um parceiro muito responsável e efetivo".

Sem a presença do Brasil no Haiti "não teríamos sido capazes de estabilizar a situação depois do terremoto (de janeiro passado)", disse a secretária. Para ela, o Brasil também contribuiu para um acordo multilateral em dezembro passado na Cúpula de Copenhague sobre mudança climática.

Além disso, os Estados Unidos têm uma relação "realmente robusta" de investimentos e comércio com o Brasil e uma "longa lista de áreas de interesse comum e de alianças nas quais trabalharemos e ampliaremos", concluiu Hillary.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host