UOL Notícias Notícias
 
29/05/2010 - 21h35 / Atualizada 29/05/2010 - 21h36

Venezuela e Portugal assinam 19 novos acordos de cooperação

Caracas, 29 mai (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, participaram hoje em Caracas da assinatura por ministros e empresários de ambos os países de 19 novos acordos, entre eles a compra de dois navios portugueses.

Trata-se de dois navios transportadores de asfalto, cada um com capacidade de 27 mil toneladas métricas e com um calado de 9,5 metros, que serão construídos em Portugal em um prazo e a um custo que não foram revelados.

Também se destaca entre os acordos assinados um que prevê a construção na Venezuela de 12.212 casas populares, algo que já foi estipulado na visita anterior de Sócrates à Venezuela, em maio de 2008, e que agora se complementará com a construção "in situ" de três fábricas de materiais requeridos para essas construções.

Além disso, foi assinado uma "ata de compromisso" para a compra pelo Governo de Chávez de 525 mil computadores portáteis que serão doados a jovens estudantes.

"O que hoje se acertou não é pouca coisa", destacou Chávez a respeito desses acordos, que também incluíram outros para a formação de grupos de estudo encarregados de desenvolver projetos no setor elétrico.

Outros memorandos de entendimento e atas de compromisso foram assinados neste mesmo setor, além de futuras compras de plantas de geração de energia termelétrica e transformadores, e para a construção de linhas de transmissão e subestações, entre outros.

Também foi acordado avaliar a possibilidade de empresas farmacêuticas portuguesas investirem no país sul-americano, na instalação de uma fábrica de produção de antibióticos, e que a Venezuela adquira em Portugal diversos produtos e serviços para o turismo interno.

"Tudo isso selará mais profundamente e ajudará a consolidar um mapa de relações bilaterais com uma nação com uma linha clara de autonomia em política externa", disse Chávez, após destacar que até há poucos anos "quase não havia relações com Portugal ou eram quase igual a zero; inexistentes".

Entre os acordos assinados na visita anterior de Sócrates estão convênios para o desenvolvimento de projetos mistos em matéria de energia e infraestrutura, entre eles a construção de uma fábrica de computadores e a reconstrução do Puerto de la Guaira, próximo a Caracas.

Segundo fontes venezuelanas, citadas pela agência estatal venezuelana "ABN", Portugal é um dos parceiros do Estado venezuelano nas empresas mistas que exploram petróleo na Faixa do Orinoco, o que permitirá o próximo aumento dos atuais 30 mil barris diários de combustível que a Venezuela exporta para Portugal.

A companhia petrolífera portuguesa Galp começou em 2008 a operar na rica região venezuelana e a plena exploração dos blocos que lhe foram atribuídos proporcionará a Portugal cerca de 200 mil barris dos 500 mil que o país europeu consome diariamente, segundo dados oficiais venezuelanos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -1,03
    3,146
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,09
    68.714,66
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host