UOL Notícias Notícias
 
31/05/2010 - 11h32 / Atualizada 31/05/2010 - 11h43

Lula e Ahmadinejad falam sobre proposta de troca nuclear

Teerã, 31 mai (EFE).- Os presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o líder do Irã Mahmoud Ahmadinejad conversaram hoje por telefone sobre a resposta internacional ao acordo nuclear assinado há duas semanas junto à Turquia.

Segundo a agência de notícias "Fars", durante a conversa Lula confirmou a Ahmadinejad que continua consultando os países que podem participar da troca de urânio enriquecido por combustível nuclear.

A agência "Isna" ressalta, por sua vez, que Lula reiterou que o "Irã pode contar com a cooperação e a assistência do Brasil".

Ahmadinejad insistiu que a denominada "declaração de Teerã" supõe "o início de um grande movimento internacional atrás da justiça, da paz e da segurança global, que deve se concretizar através da cooperação".

De acordo com a "Fars", o presidente iraniano louvou "a postura firme e a persistência de Lula em defesa da declaração de Teerã", ressaltou que gerou "uma situação apropriada no mundo" e garantiu que o Irã "continuará no caminho até o final".

"O Irã e o Brasil podem trabalhar para adotar medidas apropriadas e construtivas que se ajustem aos interesses de seus próprios países e de outras nações", acrescentou Ahmadinejad.

Grande parte da comunidade internacional, com os Estados Unidos à frente, acusa o regime iraniano de ocultar sob seu programa nuclear pacífico outro de ambições bélicas cujo objetivo seria adquirir um arsenal atômico, alegação que Teerã nega.

A queda-de-braço se agravou em novembro, depois que o Irã colocou impedimentos a um acordo para intercambiar urânio a 3,5% por combustível enriquecido a 20 %, nas condições que diz precisar para alimentar seu reator civil.

No dia 17 de maio, Lula e o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, conseguiram que o Irã aceitasse por escrito um compromisso para intercambiar na Turquia uma parte de seu urânio pouco enriquecido por combustível nuclear.

A proposta foi enviada formalmente a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na segunda-feira.

Caso o documento seja aceito, o regime iraniano deverá enviar no prazo de um mês 1,2 mil quilos de urânio à Turquia e receberá um ano depois 120 quilos do material enriquecido a 20%.

Tanto o Brasil como a Turquia consideram o acordo um primeiro passo para a construção de uma confiança comum e acreditam, além disso, que fecha a porta à proposta dos Estados Unidos de impor novas sanções ao regime iraniano.

Embora tenha sido elogiado por vários países, Washington mantém abertas as discussões com o resto de membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre as medidas punitivas contra Teerã.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host