UOL Notícias Notícias
 
31/05/2010 - 14h06 / Atualizada 31/05/2010 - 14h51

Mockus admite que pesquisas o iludiram e que será difícil ganhar na Colômbia


Em Bogotá
  • Antanas Mockus, o ex-prefeito de Bogotá e candidato presidencial colombiano

    Antanas Mockus, o ex-prefeito de Bogotá e candidato presidencial colombiano

O candidato à Presidência da Colômbia pelo Partido Verde, Antanas Mockus, admitiu nesta segunda-feira (31) que as pesquisas o iludiram sobre a possibilidade de ganhar no primeiro turno e que vencer no segundo será difícil, já que o governista Juan Manuel Santos, do Partido Social da Unidade Nacional, obteve mais votos.

O aspirante do Partido Verde disse, em entrevista à rádio "RCN", que as pesquisas, que previam um empate entre Mockus e Santos no primeiro turno, "iludiram e a realidade das votações efetivas é a que conta. Estamos perplexos", disse Mockus.

Em sua opinião, o "clássico camponês recebeu melhor a proposta de Santos" e o "voto rural" não estava refletido nas pesquisas das semanas prévias às eleições, que foram feitas nas cidades e em municípios pequenos.

Santos, ex-ministro da Defesa do presidente Álvaro Uribe, foi o mais votado, com 46,5% dos votos, mas não alcançou a maioria absoluta e terá que disputar a Presidência em segundo turno no dia 20 de junho com Mockus, que obteve 21,5% dos votos.

"Não esperava um resultado tão folgado" a favor de Santos, reconheceu Mockus em outra entrevista à rádio "Caracol", mas destacou que "há cinco meses o grande objetivo era ir para o segundo turno", o que foi alcançado.

Ainda há três semanas "para pensarmos em alternativas" que seduzam os eleitores, a fim de tornar o fato de ganhar a Presidência no segundo turno "possível" em vez de "improvável", falou o também ex-prefeito de Bogotá.

Ele também ressaltou que não vai fazer "propostas burocráticas" a Germán Vargas Lleras, do Partido Cambio Radical, e a Gustavo Petro, do Polo Democrático Alternativo (PDA), terceiro e quarto candidatos mais votados, respectivamente.

Fazendo um balanço geral de sua campanha eleitoral, Mockus afirmou que "como um todo foi boa", embora em alguns dos debates entre os aspirantes, veiculados nas emissoras de televisão, achou que foi bem "e em outros não muito bem".

"Os candidatos deram valor demais" a pequenos erros, explicou Mockus, dando como exemplo a polêmica sobre seu comentário de que o salário dos médicos não deve ultrapassar 1 milhão de pesos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host