UOL Notícias Notícias
 
12/06/2010 - 00h50 / Atualizada 12/06/2010 - 01h20

Cuba concederá licença penal a dissidente em grave estado de saúde

Havana, 11 jun (EFE).- O Governo de Cuba comunicou nesta sexta-feira à Igreja Católica que outorgará licença penal ao preso político Ariel Sigler, cujo estado de saúde é muito grave, e que neste sábado transferirá outros seis prisioneiros a centros penitenciários de suas províncias.

Os presos que serão transferidos a suas províncias de residência são os dissidentes Héctor Fernando Maceda, Juan Adolfo Fernández Sáinz, Omar Moisés Ruiz Hernández, Efrén Fernández Fernández, Jesús Mustafá Felipe e Juan Carlos Herrera Acosta, informou o Arcebispado de Havana em uma nota de imprensa divulgada nesta sexta.

Tanto Sigler quanto estes seis prisioneiros são membros do chamado "Grupo dos 75", dissidentes presos e condenados na repressão da conhecida como "Primavera Negra" de 2003.

Ariel Sigler Amaya, de 47 anos e condenado a 20, está gravemente doente, e sofre com uma paraplegia. Atualmente está em um hospital da capital, Havana.

O anúncio da licença para Sigler e a transferência dos outros seis presos supõe um novo passo do Governo de Raúl Castro em relação aos prisioneiros políticos após o processo de diálogo iniciado em maio com a hierarquia da Igreja Católica cubana.

A primeira medida aconteceu no último dia 1º com a transferência de outros seis dissidentes presos para centros penitenciários de suas províncias.

No dia 19 de maio, o presidente Raúl Castro se reuniu durante quatro horas com o arcebispo de Havana, Jaime Ortega, e o presidente da Conferência de Bispos Católicos de Cuba, Dionisio García, em encontro no qual falaram sobre os presos políticos, entre outros assuntos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host