UOL Notícias Notícias
 
24/06/2010 - 12h03 / Atualizada 16/08/2010 - 23h56

EUA pedirão do G20 crescimento global menos ligado a seu consumo

César Muñoz Acebes.

Washington, 24 jun (EFE).- Ante o crescimento do déficit e a continuação dos desajustes derivados da bolha imobiliária, os Estados Unidos chegam à cúpula deste fim de semana do Grupo dos Vinte (G20, países mais ricos e principais emergentes) sem outra alternativa senão pedir dos parceiros um crescimento mais equilibrado.

Antes de chegar a Toronto, que recebe no sábado e no domingo a reunião, os americanos conseguiram uma importante vitória: a decisão da China de acabar com o câmbio fixo em relação ao dólar e permitir a valorização de sua moeda.

Após o hiato da crise, o déficit comercial americano com a China voltou a engordar, o que reavivou as queixas da indústria e dos aliados de que Pequim mantém o iuane artificialmente baixo para exportar mais.

A ideia da Casa Branca era adiar para depois da cúpula a adoção de uma postura sobre se a China manipula ou não a divisa, com a possibilidade de sanções comerciais. Por isso, o anúncio do fim de Pequim parece ter apagado um pouco o fogo.

A decisão, porém, não põe fim ao problema. O banco central da China já esclareceu que não haverá uma valorização espetacular do iuane, e que a flexibilização da taxa de câmbio será "gradual".

Por outro lado, o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, pediu a aplicação "enérgica" da nova política. E o presidente americano, Barack Obama, disse que na cúpula do G20 o assunto do iuane será tratado.

No passado, os consumidores americanos tiraram o mundo da recessão com seu apetite insaciável pela aquisição de coisas, mas desta vez a situação financeira é precária.

Segundo o Congresso, o desemprego segue alto (perto de 10%), e a crise destruiu US$ 12,5 trilhões de riqueza das famílias, sobretudo pela queda de valor dos imóveis.

Em carta enviada a ministros do G20, Geithner explicou que os americanos estão em um momento de poupar, e alertou que a recuperação perderá fôlego se a demanda mundial não ganhar equilíbrio, com mais consumo em outros países.

Entre essas nações estariam China, Alemanha e Japão, que possuem os maiores superávit comerciais.

Mas as prioridades dos outros membros na cúpula são diferentes. "A Europa está mais comprometida com a consolidação fiscal que os EUA", disse à Agência Efe John Makin, um dos diretores da Caxton Associates, fundo de investimento de alto risco.

Durante a reunião do G20 em Toronto, a Europa pedirá a Washington que ponha suas contas em ordem, como contou Makin. Porém, com eleições legislativas em novembro, é difícil que o Governo americano revele, pelo menos por enquanto, um plano nesse sentido.

Os EUA querem relançar sua economia à base de exportações, daí a insistência para que os outros países mantenham os programas de estímulo.

Washington perdeu a batalha na última reunião ministerial do G20, na Coreia do Sul. O comunicado final, pela primeira vez, não mencionou a palavra "estímulo" e, pelo contrário, insistiu na redução do déficit.

Os EUA não sofrem pressão para rebaixar a dívida, ao contrário do que ocorre em países como Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda.

De fato, o nervosismo das bolsas em torno da solvência de tais países reduziu os juros que Washington deve pagar pelo dinheiro que capta nos mercados, já que os investidores buscaram a segurança dos bônus do Tesouro.

Por outro lado, para os EUA a alta do dólar frente ao euro e a fragilidade econômica da Europa são notícias ruins, uma vez que geram menos demanda de seus produtos em um mercado-chave.

"O problema mais sério surgiria se as bolsas seguissem caindo, os mercados de crédito fossem transtornados, o sistema bancário europeu não funcionasse adequadamente e o crédito não fluísse", disse Mark Zandi, economista-chefe da Moody's Economy.

Por isso, na cúpula Washington exigirá da Europa que ponha a casa em ordem e da Alemanha que não retire o plano de estímulo de forma prematura. A mensagem, como reconheceu Zandi, é complicada.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h49

    -0,33
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h51

    1,45
    62.565,37
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host