UOL Notícias Notícias
 
27/06/2010 - 17h53 / Atualizada 27/06/2010 - 18h12

Micheletti lamenta que 1 ano após golpe não haja "harmonia" em Honduras

Tegucigalpa, 27 jun (EFE).- O ex-governante de fato de Honduras, Roberto Micheletti, disse hoje que após um ano do golpe de Estado do dia 28 de junho de 2009 contra o então presidente Manuel Zelaya, está preocupado porque o país ainda não recuperou a "harmonia".

"Apesar do país ter restabelecido relações com várias nações, falta a harmonia que se vivia anteriormente. A situação não se normalizou, há um ambiente de incerteza", disse Micheletti em entrevista à Agência Efe.

Acrescentou que, apesar de tudo, tem "confiança no presidente Porfirio Lobo", que assumiu no dia 27 de janeiro, e acredita que o novo governante "tratará de atuar com a maior responsabilidade para que se chegue a unidade interna com os demais países".

Micheletti assumiu o poder no dia 28 de junho, no mesmo dia em que Zelaya foi levado à força para fora do país, levando Honduras ao isolamento e a sua suspensão da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Zelaya, que desde o dia 27 de janeiro vive na República Dominicana, foi deposto quando promovia uma consulta popular para reformar a Constituição, apesar da consulta ter impedimentos legais.

Um ano depois do Golpe, Honduras segue suspensa da OEA, enquanto a Nicarágua impede a normalização das relações com o Sistema da Integração Centro-Americana (Sica).

Micheletti disse estar preocupado que Honduras não tenha retornado ao seio da OEA e ressaltou que seu país "cumpriu com todos os requisitos exigidos pela comunidade internacional para reconhecer às novas autoridades" hondurenhas.

"Os Acordos Tegucigalpa-San José foram cumpridos, há um Governo de unidade, houve eleições limpas e se criou a Comissão da Verdade e Reconciliação", ressaltou Micheletti, que após concluir seu mandato de sete meses retornou ao norte de Honduras para dirigir suas empresas.

Apesar das denúncias de organismos públicos e privados sobre a continuidade das violações dos direitos humanos no país, Micheletti considera que "não é preciso" que a OEA envie uma comissão especial para verificar a situação de Honduras e analisar sua reintegração ao organismo.

Disse, além disso, que Zelaya não tem um futuro político e que o Partido Liberal, ao que ambos pertencem e que ficou rachado após o golpe, "mantém sua condição democrática e quer voltar ao poder da nação".

"Estamos vivendo em democracia há 30 anos. Desde então viemos elegendo nossas autoridades a cada quatro anos, isso nos dá a garantia que o povo quer viver em democracia e não pressionado por ideologias de esquerda", disse.

Apesar da crise, Micheletti, que era presidente do Parlamento hondurenho quando Zelaya foi derrubado, acredita que "há confiança de que a situação do país irá se normalizar na medida em que se restabeleçam as relações com a maioria dos países".

Designado "sucessor" de Zelaya em uma ação dos deputados qualificada como "substituição constitucional", Micheletti disse que após deixar o poder retornou a seus negócios e que com frequência reúne-se com amigos e políticos para "estudar a situação e contribuir com o Governo de Lobo na medida do possível".

Acrescentou que embora siga recebendo ameaças de morte, não teme por sua vida porque não cometeu nenhum crime.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,02
    3,178
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,90
    67.976,80
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host