UOL Notícias Notícias
 
27/06/2010 - 20h05 / Atualizada 27/06/2010 - 20h23

Obama afirma que todos no G20 se movimentam na mesma direção

Toronto (Canadá), 27 jun (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, qualificou como um sucesso a cúpula do Grupo dos Vinte (G20, principais países ricos e emergentes) encerrada hoje em Toronto e assegurou que embora "cada economia seja única, e cada país estabeleça seu caminho", todos se movimentam "na mesma direção".

Em entrevista coletiva após o encerramento da cúpula, Obama disse que a economia "voltou a crescer" graças às medidas adotadas em reuniões prévias e que apesar das diferenças com as quais os países foram ao encontro "podemos coordenar nossas posições e continuar focando em um crescimento duradouro que dê emprego a nossa gente e crie prosperidade para o mundo".

O crescimento obtido até agora, disse, não é "suficiente", e se nos EUA e em muitos outros países ainda há muita gente sem emprego, em "muitas economias" a demanda de bens e serviços é ainda "mais fraca", afirmou.

Em uma alusão às consequências da crise orçamentária na Grécia, lembrou: "como vimos nos últimos meses, uma crise financeira em um país pode ter consequências muito além de suas fronteiras".

Os EUA chegaram à cúpula com três metas: garantir que a recuperação global é forte e duradoura; continuar a reforma do sistema financeiro e atalhar questões que afetam à segurança e a prosperidade e, segundo Obama, alcançaram "importantes progressos em cada uma".

Assim, Obama disse que foi acordado "seguir coordenando" os esforços "para criar empregos" e "equilibrar a necessidade de um contínuo crescimento a curto prazo e a sustentabilidade fiscal a médio prazo".

Ele aludiu aos esforços de vários países europeus para reduzir seus déficits fiscais, perante o temor causado pela situação na Grécia.

"Vários de nossos membros adotam decisões difíceis, mas devemos reconhecer que nossa saúde fiscal futura descansará em nossa capacidade de criar crescimento e emprego agora", sustentou.

O presidente americano falou também da decisão chinesa de permitir uma cotação mais flexível do iuane, à qual deu "as boas-vindas".

No entanto, insistiu que os Estados Unidos pretendem supervisionar "nos próximos meses" se essa flexibilização, que considera "um primeiro passo", é suficiente.

"Uma moeda subvalorizada concede uma vantagem comercial significativa", lembrou, algo que "não é aceitável ou consistente com um crescimento econômico global equilibrado".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host