UOL Notícias Notícias
 
04/07/2010 - 01h23 / Atualizada 04/07/2010 - 01h33

Começam as eleições presidenciais na Polônia

Varsóvia, 4 jul (EFE).- Os colégios eleitorais da Polônia abriram hoje suas portas dando começo ao segundo turno das eleições presidenciais, das quais sairá o futuro chefe de Estado do país e sucessor de Lech Kaczynski, morto em acidente aéreo em abril passado.

Vão se enfrentar nesta jornada eleitoral o conservador Jaroslaw Kaczynski, irmão gêmeo do anterior presidente da Polônia, Lech, e o presidente do Parlamento e chefe de Estado interino, o liberal Bronislaw Komorowski.

Komorowski foi o candidato mais votado no primeiro turno com 41% dos votos, seguido de Kaczynski, com 36%, e do líder da Aliança Democrática de Esquerda, Grzegorz Napieralski, com 13%.

Nem Komorowski nem Kaczynski conseguiram então a maioria absoluta, o que fez com que durante a segunda campanha eleitoral os dois candidatos tenham sido obrigados a lutar pelo apoio dos eleitores da esquerda, decisivos no pleito de hoje.

Ambos os candidatos chegam muito igualados às urnas, e embora a maioria das pesquisas dê uma vitória apertada a Komorowski, uma enquete publicada pelo jornal "Rzeszpospolita" no último dia da campanha dava como ganhador Jaroslaw Kaczynski, com dois pontos de diferença sobre seu rival.

Destas eleições sairá o presidente da Polônia durante os próximos cinco anos, um cargo que é principalmente representativo e carece de poder executivo, embora tenha algumas atribuições determinantes como a capacidade de veto das normas elaboradas pelo Governo ou a rubrica final de tratados internacionais.

Mais de 30 milhões de cidadãos foram convocados às urnas nesta jornada eleitoral, que começou com normalidade às 6h (hora local, 1h de Brasília) e finalizará 14 horas depois, às 20h (15h).

As autoridades polonesas pretendem que os cidadãos contem com toda a comodidade para votar, o que justifica a ampla margem de tempo e os 25.773 locais eleitorais habilitados, que tornarão possível que ninguém tenha que se deslocar longas distâncias para depositar sua cédula.

Apesar destas facilidades, as pesquisas preveem que a abstenção fique em torno de 54%, como já aconteceu no primeiro turno do dia 20 de junho.

A abstenção inclusive poderia ser maior por causa do bom tempo durante este fim de semana e do começo das férias de verão, o que faz com que muitos poloneses estejam fora de seu domicílio habitual.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,28
    3,182
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,29
    64.676,55
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host