UOL Notícias Notícias
 
04/07/2010 - 10h45 / Atualizada 04/07/2010 - 10h53

Petraeus assume comando das tropas no Afeganistão em "momento crítico"

Cabul, 4 jul (EFE).- O general americano David Petraeus assumiu hoje formalmente o comando das tropas estrangeiras no Afeganistão, onde o conflito armado está, como disse no quartel-general da Otan em Cabul, em um "momento crítico".

"Estamos embarcados em uma dura luta. Após anos de guerra chegamos a um momento crítico", disse o general durante a cerimônia, diante de oficiais da Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf), do Exército afegão, embaixadores e funcionários.

"Devemos demonstrar aos afegãos e ao mundo que não deixaremos que Al Qaeda e sua rede de aliados estabeleçam novos refúgios no Afeganistão", acrescentou Petraeus, de 57 anos, que trajava o tradicional uniforme militar camuflado.

A sessão foi presidida pelo general Egon Ramms, comandante pela força conjunta da Otan Brunsumm, quem entregou a Petraeus os estandartes das forças da Isaf, composta por soldados de 47 países e pelas tropas americanas.

O general foi designado para o cargo na semana passada pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, depois de o governante destituir seu antecessor, o general Stanley McChrystal, por causa de uma polêmica reportagem no qual este e sua equipe criticam a Administração americana.

Durante seu discurso, o militar prometeu examinar os esforços civis e militares para determinar "quais as afinações são necessárias para avançar", embora tenha destacado que seu comando representa uma mudança de "pessoal" e não "política ou estratégia".

A chegada de Petraeus ocorre em um momento especialmente delicado: junho foi o mais sangrento para as tropas estrangeiras desde o início da invasão ao país em 2001, com 102 soldados mortos.

Os combates são quase constantes no leste e sul do país, onde predomina a etnia pashtun, da qual procedem majoritariamente os insurgentes, embora a influência dos rebeldes tenha aumentado nos últimos anos e já possível notá-la em quase todo o território.

"Temos de demonstrar ao povo e aos talibãs que as forças afegãs e da Isaf estão aqui para proteger a todos, e que estamos nisto para ganhar. Este é nosso objetivo claro", apostou Petraeus com ar confiante.

O general assumiu o comando central dos EUA em outubro de 2009, após 20 meses no comando das tropas aliadas no Iraque, e agora deverá colocar em prática uma estratégia que incide em debilitar aos talibãs e em fomentar o desenvolvimento local.

O novo chefe das tropas estrangeiras terá autoridade tanto sobre as forças sob comando direto dos EUA quanto sobre as tropas da Isaf, a missão militar da Otan.

Terá, portanto, de guiar um contingente de 150 mil soldados - após a chegada dos reforços previstos -, simultaneamente a negociação que as autoridades afegãs pretendem realizar com os talibãs para alcançar a paz, um processo considerado difícil.

Nos últimos meses, cresceram as vozes no exterior que questionam a carga de recursos que representa o conflito e o rendimento dos membros do Governo afegão, ao que acusam de tramitar deficientemente os fundos de ajuda.

Após fazer um discurso diante de centenas de convidados em Cabul, Petraeus, que tinha aterrissado na sexta-feira na capital afegã procedente de Bruxelas, se reuniu este sábado com o presidente afegão, Hamid Karzai, segundo o escritório deste último.

Os dois falaram sobre corrupção, após uma denúncia publicada na semana passada no jornal americano "The Wall Street Journal", sobre mais de US$ 3 bilhões que entraram e saíram nos últimos anos no aeroporto de Cabul.

Petraeus tem um ano para endireitar a maltratada situação do Afeganistão para cumprir a promessa do presidente Obama, que fixou para julho de 2011 o início da retirada de suas tropas do país.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,22
    3,175
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host