UOL Notícias Notícias
 
05/07/2010 - 13h07 / Atualizada 05/07/2010 - 13h08

ONG denúncia que 59 jornalistas foram assassinados em 2010

Genebra, 5 jul (EFE).- Um total de 59 jornalistas foram assassinados durante o exercício de sua profissão neste ano, o que representa um aumento de quase 10% em relação aos 53 que perderam a vida no mesmo período de 2009, sendo a América Latina a região com maior número de mortes, informou hoje a ONG suíça Campanha Emblema de Imprensa (PEC).

"Os jornalistas se encontram muito expostos em inúmeros países, por isso que os Governos e a comunidade internacional devem atuar com maior firmeza para impedir tais mortes e castigar os responsáveis", afirmou o secretário-geral da PEC, Blaise Lempen, ao apresentar o relatório do primeiro semestre do ano.

A América Latina registra o maior número de jornalistas assassinados em seis meses, com 24; seguida da Ásia, com 14 e da África com nove.

O relatório compila os crimes ocorridos em 25 países, entre os quais se destaca México, com nove jornalistas assassinados, como o mais perigoso, seguido de Honduras, com oito; Paquistão, com seis; e Nigéria e Filipinas, com quatro cada um.

A PEC é uma ONG fundada há seis anos por jornalistas localizados em Genebra, que luta por uma convenção internacional pela qual os Estados se comprometeriam a proteger, identificar e indenizar, se necessário, os jornalistas em conflitos armados.

O número de vítimas, alerta a ONG, aumentou, como mostram os dados deste ano e o número recorde de 2009, com um total de 122 assassinados, enquanto em 2008 foram registrados 91 casos.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h30

    0,09
    3,268
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h30

    -0,65
    63.665,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host