UOL Notícias Notícias
 
16/07/2010 - 19h39

Colômbia pede reunião da OEA para discutir polêmica com Venezuela

Bogotá, 16 jul (EFE).- O Governo da Colômbia pediu hoje à Organização dos Estados Americanos (OEA) convocar "o mais breve possível uma reunião extraordinária do Conselho Permanente (do organismo) para examinar a presença de terroristas colombianos" em território venezuelano.

O pedido está contido em comunicado da Presidência da Colômbia, lido pelo secretário de Informação e Imprensa do país, César Mauricio Velásquez.

A solicitação foi feita em momentos de grande tensão entre os dois países por causa das denúncias do Governo colombiano sobre a presença de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN) em território venezuelano.

O comunicado oficial acrescenta que o pedido "está antecedido por inúmeros esforços fracassados para a solução deste grave problema por meio do diálogo direto com a Venezuela e das ocasiões nas quais se comunicou esta situação à OEA e a seu secretário-geral".

Em diferentes momentos, diz o texto, "o Governo da Colômbia entregou informações ao Governo da Venezuela e o tema foi abordado em reuniões privadas dos presidentes".

Segundo a nota, "o Governo da Colômbia pediu inclusive a terceiros países a facilitação neste diálogo, entre outros, a Espanha, Cuba e Brasil".

O comunicado assinala também que, "segundo foi acordado na reunião de Cancún de 22 de fevereiro de 2010, os dois Governos aceitaram a facilitação, acompanhados pelo Brasil, México e República Dominicana".

De acordo com o texto, o presidente dominicano, Leonel Fernández, chegou a ir à fronteira entre Colômbia e Venezuela para tratar do assunto, mas sua ação "foi desautorizada pelo Governo da Venezuela".

A nova crise nas relações entre os dois vizinhos sul-americanos ocorre a três semanas da posse do presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, ex-ministro da Defesa do atual líder, Álvaro Uribe.

A crise chegou nesta sexta-feira a um ponto crítico quando Caracas chamou para consultas seu embaixador em Bogotá, Gustavo Márquez, um dia depois de o Governo Uribe afirmar que tem provas contundentes da presença de chefes das guerrilhas na Venezuela.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h00

    0,32
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h01

    1,68
    63.714,04
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host