UOL Notícias Notícias
 
19/07/2010 - 22h34

EUA pedem que R.Unido e Escócia revejam libertação de condenado por Lockerbie

Washington, 19 jul (EFE).- A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediu hoje ao Governo autônomo da Escócia e ao Reino Unido para que revisem os fatos e as circunstâncias que levaram à libertação do líbio Abdelbaset al Megrahi, condenado pelo atentado de Lockerbie.

Em carta enviada por Hillary a quatro senadores que pediram ao Departamento de Estado americano para que investigue a influência da BP na decisão de enviar Megrahi à Líbia, a chefe da diplomacia americana disse que incentivou as autoridades escocesas e britânicas a avaliarem qualquer informação nova.

Em 20 de agosto de 2009, o Governo escocês decidiu libertar Megrahi por razões humanitárias, com base em exames médicos que apontavam um câncer de próstata terminal.

Então, os EUA se opuseram à decisão. Hoje, Hillary diz que a libertação do líbio "é um insulto às famílias das vítimas, à memória dos que morreram no atentado de Lockerbie e a todos aqueles que trabalharam incansavelmente para garantir que se faça justiça".

A secretária de Estado destacou que qualquer decisão sobre a possível revisão do caso corresponde às autoridades escocesas, mas que os EUA "mantêm e seguirão mantendo em nossas conversas nossa inquebrantável convicção de que Megrahi não deve ser um homem livre".

A polêmica surgida nos últimos dias sobre o papel da BP na libertação do líbio será abordada amanhã entre o presidente dos EUA, Barack Obama, e o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, que se reunirão na Casa Branca.

Megrahi foi o único condenado pelo atentado que matou 270 pessoas, a maioria americanas, quando um avião da Pan Am explodiu sobre a cidade escocesa de Lockerbie em 21 de dezembro de 1988. Apesar dos motivos de sua libertação, ele continua vivo e sem sinais de deterioração de sua saúde.

Segundo a imprensa britânica, a BP pressionou a favor da libertação porque buscava concessões petrolíferas no golfo líbio de Sidra.

Hillary Clinton disse que o favorecimento da BP a uma transferência de presos entre o Reino Unido e Líbia é conhecido, mas reiterou que a responsabilidade pela libertação de Megrahi é exclusiva do Governo escocês e de seu ministro da Justiça, Kenny MacAskill, que, apesar de ter rejeitado a transferência, libertou Megrahi por razões humanitárias, o que igualmente facilitou sua entrega à Líbia.

O Senado americano convocou executivos da BP e funcionários do Governo britânico para depor na semana que vem sobre essa possível influência.

Hillary pediu ao ministro de Assuntos Exteriores britânico, William Hague, para que revise e aborde as preocupações expressadas pelos senadores em sua carta e responda diretamente ao Congresso dos Estados Unidos.

A libertação de Megrahi foi um erro, reconheceu o embaixador britânico em Washington, Nigel Sheinwald, mas não há nenhuma prova que sustente a suposta ligação entre a BP e a libertação do líbio, de acordo com o atual Governo britânico.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,48
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,53
    75.604,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host