UOL Notícias Notícias
 
19/07/2010 - 14h44

Governo dos EUA defende reformas dos serviços de inteligência

Washington, 19 jul (EFE).- O Governo dos Estados Unidos afirmou nesta segunda-feira que as reformas nos serviços de espionagem melhoraram a qualidade, a quantidade e a velocidade da entrega de dados aos responsáveis políticos e da defesa nacional, frente às deficiências divulgadas em um relatório feito pelo "The Washington Post".

A série do jornal, fruto de dois anos de investigação, documenta o crescimento dos serviços de inteligência desde os atentados de 2001 e assinala que estes cresceram "de forma descontrolada", ao ponto de que possivelmente estejam duplicando o trabalho sem melhorar a segurança dos Estados Unidos.

Mas o diretor nacional de Inteligência (DNI) interino, David C. Gompert, disse em comunicado que a série de reportagens do jornal "não reflete a comunidade de inteligência que conhecemos" e que os empregados de inteligência melhoraram as "operações, impediram ataques e estão conseguindo uma infinidade de sucessos a cada dia".

As reformas realizadas até o momento "melhoraram a qualidade, quantidade, regularidade e velocidade de nosso apoio aos responsáveis de política, soldados e defensores do território nacional, e continuaremos nossos esforços de reforma", assegurou Gompert.

"Trabalhamos constantemente para reduzir as deficiências e redundâncias", acrescentou.

Gompert, cujo escritório foi criada em 2004 para uniformizar o trabalho dos serviços de inteligência, explicou que existe certo nível de duplicação de trabalho entre as distintas agências com o objetivo de fortalecer a análise das tarefas de inteligência.

"Os desafios pela frente são difíceis e complexos. Continuaremos esquadrinhando nossas próprias operações, buscando formas de melhorar e no adaptar", continuou Gompert, ao assegurar que a comunidade de inteligência trabalha com o Congresso para as tarefas de supervisão e reforma desta burocracia.

Como exemplo do aumento burocrático da comunidade de inteligência, o jornal "The Washington Post" afirmou que 854 mil empregados federais têm acesso a materiais secretos e que "em Washington e seus arredores, desde setembro de 2001, se construíram ou estão em construção 33 complexos de edifícios para trabalhos secretos".

Em declarações ao jornal, o secretário de Defesa, Robert Gates, reconheceu que o crescimento da comunidade de inteligência desde 2001 é "um desafio", não só para o DNI, mas também "para qualquer outro indivíduo".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h59

    -0,57
    3,127
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h04

    -0,38
    75.319,52
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host