UOL Notícias Notícias
 
24/07/2010 - 16h14

Uribe admite que bombardeio contra as Farc no Equador não era o ideal

Bogotá, 24 jul (EFE).- O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, admitiu hoje, em Bogotá, que o bombardeio militar há dois anos, de seu país contra uma base das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano, não era a opção ideal.

"Não gostamos de ter feito isso (atacar rebeldes no exterior)", disse o presidente, durante um conselho de avaliação do Governo, sobre a ação de 1º de março de 2008, que ocasionou uma ruptura de relações do Equador com a Colômbia.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, considerou o bombardeio uma agressão e dois dias depois rompeu relações com a Colômbia, país com o qual avança rumo à normalização dos elos bilaterais.

"Nós o fizemos (o bombardeio) por causa da necessidade de enfrentar um terrorista que assassinava nossos compatriotas, nunca para ofender o povo irmão", afirmou Uribe.

Na operação, morreram o porta-voz internacional e "número dois" do comando das Farc, conhecido como Raúl Reyes, além de outras 25 pessoas.

Após pedir novamente desculpas ao Equador, o presidente colombiano disse que a operação permitiu cortar um circuito que permitia às Farc manter sequestrada a ex-candidata presidencial Íngrid Betancourt, capturada em fevereiro de 2002 e resgatada em julho de 2008.

"O ideal não é fazer essa operações, o ideal é a cooperação, de acordo com o direito internacional, para combater os terroristas", reconheceu Uribe.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host