UOL Notícias Notícias
 
25/07/2010 - 13h38

EUA veem avanço "lento mas, seguro" em guerra afegã no Paquistão

Cabul, 25 jul (EFE).- O chefe do Estado-Maior conjunto dos Estados Unidos, Michael Mullen, assegurou hoje em Cabul que a guerra afegã avança de forma "lenta, mas segura", e defendeu a necessidade de "restaurar a confiança" com o Paquistão para obter frutos na missão militar e desmantelar as redes terroristas na fronteira.

Em entrevista coletiva na capital afegã, onde chegou após visitar Islamabad, Mullen explicou que o objetivo das forças estrangeiras é reverter à situação bélica neste ano com um grande desdobramento nas províncias sulinas de Helmand e Kandahar, os centros nevrálgicos do movimento talibã.

A ofensiva lançada em fevereiro em Helmand, o viveiro do ópio afegão, segue registrando "avanços", embora o almirante tenha confessado que as autoridades afegãs não implantaram "tão rápido" como o comando militar esperava.

Mullen, que hoje se reuniu com o comandante-em-chefe das forças estrangeiras, o general David Petraeus, acrescentou que a "campanha militar" na vizinha Kandahar, centro espiritual dos talibãs, "continua", embora tenha lembrado que ainda faltam chegar efetivos ao Afeganistão para completar o contingente de 150 mil soldados.

A repetida data de julho de 2011 mencionada pelo presidente Barack Obama representará o "início da transição", da cessão de controle militar às forças afegãs, mas o número de soldados estrangeiros que começarão a deixar o país dependerá da situação no terreno, reiterou.

"Ninguém está buscando a porta de saída do Afeganistão ou da região", declarou o almirante, quem ressaltou que Washington terá tropas desdobradas no país por bastante tempo e além desta data.

Mullen, que amanhã visitará as tropas no sul afegão, afirmou que o objetivo de as forças afegãs assumirem o controle militar no fim de 2014 - compromisso assumido pelo presidente Hamid Karzai na Conferência de Cabul - é possível, embora não seja "fácil".

Para alcançar conquistas, e particularmente para bater na cúpula das organizações terroristas nas áreas tribais do Paquistão, Mullen apostou na colaboração com o serviço de espionagem paquistanês (ISI).

O militar opinou que Osama bin Laden e seu braço-direito, Ayman al-Zawahiri, estão refugiados no Paquistão, mas lembrou que os EUA não dispõe de informações dos serviços de inteligência com relação a isso há anos.

Além disso, disse ter discutido com o ISI a necessidade de "concentrar" em outros grupos que organizaram violentos atentados terroristas como a rede Haqqani e Lashkar-e-Toiba, que está "movimentando em direção ao oeste".

Mullen admitiu que a relação dos EUA com o Paquistão - e também com o Afeganistão - foi lastrada pela "falta de confiança" por causa "dos momentos em que os EUA estiveram no país e depois abandonou", em alusão à guerra entre os soviéticos e os mujahedins apoiados pelo ISI e a CIA nos anos 80.

Reconheceu as "incomuns circunstâncias" do desaparecimento de dois soldados americanos que saíram de um complexo de Cabul na sexta-feira e disse que se está fazendo um grande esforço por encontrá-los.

O movimento talibã reivindicou ontem a captura deles na província oriental de Logar, mas hoje disse que matou um deles e que mantém o outro sob custódia.

O desaparecimento dos soldados foi acompanhado de rumores de que a dupla estava em um veículo civil - algo que faz as autoridades pensarem que não eram militares - e se aventuraram a entrar em um distrito sob controle talibã.

Mais ao nordeste, na província do Nuristão, vários dias de combates mataram 50 insurgentes e três policiais, segundo o Ministério do Interior.

O governador provincial, Jamaluddin Badr, assegurou à agência "AIP" que os talibãs ocuparam ontem à noite a capital do distrito de Bargi Matal, na fronteira com o Paquistão, depois que as forças afegãs se retirassem ao comprovar o poder armado dos fundamentalistas.

Horas depois a Força Internacional de Assistência à Segurança (Isaf) da Otan reagiu a estas informações e assegurou em comunicado que comandos afegãos apoiados por forças especiais americanas mataram um "grande grupo de insurgentes" há dois dias em Nuristão, sem fazer alusão ao dia de ontem.

A Otan assegurou que a localidade de Awlagul, no citado distrito de Bargi Matal, foi "limpa" de insurgentes, mas sem referências à montanhosa capital do distrito, que mudou de mãos várias vezes durante os últimos meses.

Em junho, o número de baixas de soldados estrangeiros atingiu 102, reflexo de um dos momentos mais duros da guerra afegã apesar do "plano de paz" afegão para dialogar com os insurgentes.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host