UOL Notícias Notícias
 
01/08/2010 - 12h27

Chuvas que já mataram centenas chegam ao leste do Paquistão

Nina Tramullas

As inundações provocadas pelas chuvas de monção no Paquistão, que já causaram centenas de mortes e afetaram um milhão de pessoas, chegaram neste domingo ao leste do país, onde as autoridades se preparam para novos transbordamentos do rio Indo, disseram à Efe fontes oficiais.

O diretor de operações da Autoridade Nacional de Gestão de Desastres (NDMA), Amre Siddique, consultado pela agência Efe por telefone, informou que 30 mil soldados do Exército desdobrados na província oriental do Punjab começaram "preparativos devido à possibilidade de transbordamento" do Indo, que cruza o país de norte a sul para desembocar no mar Arábico.

Segundo explicou Siddique, após a desolação causada pelas águas na província noroeste de Khyber-Pakhtunkhwa, que sofreu nos últimos cinco dias as piores inundações de sua história, o alerta está no leste e sul do país, em particular no Punjab.

Segundo o canal de televisão local "Express", a corrente de água nesta província, a mais cultivada do Paquistão e com maior número de habitantes, já chega a 3,9 milhões de litros por segundo.

Um dos distritos mais afetados na província é Layyah, onde existe a possibilidade de o muro de contenção do Indo não conseguir evitar seu transbordamento, segundo o canal "Geo TV".

Durante o dia, neste domingo, caíram fortes chuvas também no distrito de Dera Ghazi Khan, onde fica a localidade de Taunsa, que teve várias pontes e 400 casas destruídas pelas águas, segundo o "Express".

Uma das principais artérias do país, a estrada que une Karachi (sul) com Peshawar (norte), passa por Taunsa, que abriga uma importante represa construída em 1958.

O primeiro-ministro do Punjab, Shahbaz Sharif, disse que as inundações já destruíram colheitas, estradas, casas e negócios, e assegurou que seu Governo está disponibilizando "todos os meios possíveis", embora considerou que é necessário "mais ajuda pública".

Sharif criticou o presidente do país, Asif Ali Zardari, que mantém visita oficial ao Reino Unido apesar da catástrofe meteorológica, segundo o "Express".

A mesma situação dramática está prevista para a província meridional de Sindh, onde há previsão de mais chuvas de segunda-feira até o próximo dia 6, disse à agência Efe por telefone o porta-voz da Autoridade de Gestão de Desastres de Khyber-Pakhtunkhwa, Yasser Hayat.

O local, que tem uma corrente de água de 1,47 milhões de litros por segundo, recebeu neste domingo a ajuda do Exército. Em Sindh, os soldados, equipados com barcas e coletes salva-vidas, começaram a retirar a população das áreas mais suscetíveis de ser afetadas por um possível transbordamento do Indo.

"As chuvas da monção causaram grandes inundações. Quase um milhão de pessoas foram afetadas, e há milhares pessoas isoladas nas zonas inundadas (que) necessitam assistência imediata, principalmente alimentos e remédios", resumiu o diretor da Autoridade Nacional de Gestão de Desastres, Hassan Zulfiqar.

Zulfiqar recebeu um segundo avião com ajuda para as vítimas das chuvas, enviado pelos EUA desde o Afeganistão, segundo um comunicado da embaixada americana em Islamabad.

Enquanto o drama se transfere rumo ao sul do Paquistão, seguindo o curso de seu principal rio, o nível de água começou a descer em Khyber-Pakhtunkhwa, segundo Siddique.

"Temos que resgatar as pessoas e depois elaborar um plano de apoio à população, cujas casas se destruíram e estão isoladas", descreveu o responsável do NDMA.

Embora Hayat estimou em "umas 500" as vítimas mortais e em 94 os desaparecidos nessa província, Siddique disse ter registro de 400 vítimas mortais em Khyber-Pakhtunkhwa e 94 no resto do país, 37 delas no Punjab, na última semana de chuvas.

Um veículo de imprensa paquistanês, que não cita fontes, elevou os falecidos a 1.100.

A melhora das condições no noroeste está permitindo o resgate de "muitos" cadáveres que estavam cobertos pela água, disse Siddique.

As equipes de resgate já começaram a repartir a ajuda dos EUA, que consiste em primeiros socorros e alimentos para 50 mil a 60 mil pessoas, disse.

Até agora, acrescentou, 27 mil pessoas foram resgatadas em 30 aviões e cerca de 100 de embarcações na província, onde 90 estradas foram danificadas pelas chuvas e 58 estão fechadas ao tráfego.

O primeiro-ministro, Yousef Raza Guilani, reunido com responsáveis do Crescente Vermelho, assegurou que o Governo está tomando as medidas apropriadas para socorrer os desabrigados e chamou a sociedade a cooperar nos esforços, segundo a agência estatal "APP".

Tradução: Da EFE
Em Nova Délhi

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,48
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,53
    75.604,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host