UOL Notícias Notícias
 
01/08/2010 - 14h13

Cuba denuncia EUA por situação de preso doente

Havana, 1 ago (EFE).- A Assembleia Nacional de Cuba (Parlamento) aprovou neste domingo uma declaração que denuncia a situação de Gerardo Hernández, um dos cinco agentes cubanos presos e condenados por espionagem nos Estados Unidos e que está supostamente doente, no início de uma reunião liderada pelo presidente Raúl Castro.

"Fazemos responsável o Governo dos Estados Unidos pela saúde e pela integridade física de Gerardo Hernández", afirma o texto dos parlamentares cubanos.

As autoridades da ilha afirmaram nos últimos dias que Hernández, um dos chamados "cinco heróis" em Cuba, foi levado novamente a uma cela no último dia 21 de julho, e que sofre com problemas de saúde.

O preso, de 45 anos, foi detido junto a René González, Antonio Guerrero, Fernando González e Ramón Labañino em 1998, no estado americano da Flórida, e um tribunal federal de Miami os declarou culpados de conspirar contra a segurança nacional americana através da chamada rede chamada "Vespa" em 2001.

Hernández cumpre duas condenações de prisão perpétua, uma por espionagem e outra por conspirar para a queda de dois pequenos aviões do grupo anticastrista de Miami "Irmãos ao Resgate", abatidos em 1996 por caças cubanos em um incidente no qual morreram quatro pilotos.

A sentença de dois do grupo de cinco presos foi rebaixada recentemente depois que um tribunal de apelações ordenou que elas fossem revisadas por considerá-las excessivas, mas a condenação de Hernández foi ratificada em 2008 por um painel de três juízes na cidade americana de Atlanta.

Em Cuba, os agentes são reconhecidos como "heróis" que lutavam contra o terrorismo, já que o Governo afirma que espionavam para evitar atentados contra a ilha, sem representar ameaça alguma para a segurança dos Estados Unidos.

Na sessão da Assembleia, a quinta ordinária dos 610 parlamentares escolhidos em janeiro de 2008, permaneceu vazia a cadeira do ex-presidente Fidel Castro, que continua sendo deputado.

Fidel não acompanha as reuniões da Assembleia desde que uma doença o obrigou a ceder a Presidência do país a seu irmão Raúl em 2006, apesar de ter surpreendido o mundo com sua reaparição pública desde o início de julho em uma série de visitas a centros estatais e reuniões com diferentes setores.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h49

    -0,37
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h58

    -0,14
    65.188,78
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host