UOL Notícias Notícias
 
04/08/2010 - 08h39

Alemanha anuncia novas diretrizes para A.Latina

(Atualiza com declarações do ministro de Exteriores alemão).

Berlim, 4 ago (EFE).- O gabinete ministerial alemão aprovou hoje um novo pacote de diretrizes para as relações deste país com os estados da América Latina e do Caribe diante da crescente importância política e econômica de algumas nações como o Brasil e o México.

Após ressaltar que a América Latina compartilha com a Europa e a Alemanha valores comuns, o chefe da diplomacia alemã assegurou que as relações deste país com essas nações "têm para mim uma importância pessoal".

"Trata-se de uma região mundial que é subvalorizada na Europa", apesar de contar com um dos mercados de crescimento mais dinâmicos, disse Westerwelle em entrevista coletiva. Para ele, a indústria alemã deve aproveitar ali "suas possibilidades ao máximo".

Ele ressaltou que o novo conceito da Alemanha para a América Latina afeta todos os ministérios e não se centra exclusivamente nos aspectos econômicos, mas atende à crescente importância estratégica da região.

A nova perpectiva da política alemã para a América Latina substitui a elaborada há 15 anos e pretende aprofundar as relações da Alemanha com os países em todos os campos, desde o político e econômico, ao social e cultural.

O documento de 96 páginas ressalta que a Alemanha deve "se esforçar ativamente" para manter e aumentar as estreitas relações com diferentes países latino-americanos.

Segundo o texto, para a economia e indústria alemãs, a América Latina não só é uma importante base de produção das empresas germânicas, mas um "mercado de contínuo crescimento" para a venda de seus produtos.

O novo conceito destaca como metas importantes da Alemanha na América Latina uma participação mais ativa na proteção ao meio ambiente, à pesquisa e à educação, assim como ao fomento da democracia e ao estado de direito.

A aprovação das novas diretrizes da política alemã em direção à América Latina pelo conselho de ministros ocorreu sob a Presidência do vice-chanceler e titular de Exteriores, Guido Westerwelle, isso porque a chanceler federal, Angela Merkel, está de férias.

O documento lembra que a "América Latina e o Caribe se mantêm, ao contrário que outras regiões do planeta, como uma zona de paz", a primeira do mundo livre de armas nucleares após a assinatura do tratado de Tlateloco.

"O Governo federal considera prioritário fazer sua contribuição para a consolidação das democracias representativas e a estabilização das economias na América Latina e na região do Caribe, também para que possa ser desenvolvido plenamente o potencial das relações (com esses países)", assinala.

Acrescenta que "para a realização de metas políticas de importância mundial como a criação e manutenção da paz, a imposição dos direitos humanos e o direito internacional, e também à proteção ao meio ambiente e aos recursos, assim como uma ordem comercial justa em nível mundial e a reforma das Nações Unidas temos 33 Governos parceiros na América Latina e no Caribe.

O documento destaca igualmente o apoio da Alemanha aos processos regionais de integração de organizações como Mercosul, Comunidade Andina de Nações (CAN), Sistema de Integração Centro-Americana (Sica) e Comunidade do Caribe (Caricom), assim a crescente cooperação entre os países latino-americanos com a União Europeia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host