UOL Notícias Notícias
 
05/08/2010 - 22h19

Hiroshima lembra 65 anos da bomba atômica

Tóquio, 6 ago (EFE).- Hiroshima lembrou hoje com uma convocação ao desarmamento nuclear o 65º aniversário do lançamento da bomba atômica contra a cidade, e pela primeira vez a cerimônia foi assistida por um representante dos EUA e pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

Milhares de pessoas se concentraram no Parque Memorial da Paz às 8h15 (hora local), o horário exato em que em 1945 o avião americano "Enola Gay" deixou cair sobre Hiroshima a bomba "Little Boy".

Três dias depois, os EUA lançaram sua segunda bomba atômica, batizada como "Fat Man", sobre a cidade de Nagasaki, o que levou à rendição do Japão em 15 de agosto de 1945 e ao fim da Segunda Guerra Mundial.

No final de 1945, o número de mortos por conta das bombas era de aproximadamente 140 mil pessoas em Hiroshima e 74 mil em Nagasaki, embora o número de mortos nos anos seguintes pelas sequelas das radiações tenha sido muito maior.

Esteve presente na cerimônia o embaixador americano no Japão, John Ross, o primeiro representante de um Governo dos EUA a assistir a um aniversário do ataque, além de delegados da França e do Reino Unido, também pela primeira vez, e outros 70 países.

Após lembrar o instante no qual a bomba caiu sobre a cidade com um minuto de silêncio e várias badaladas, o prefeito de Hiroshima, Tadatoshi Akiba, engrossou o coro dos que pedem um mundo sem armas nucleares e pediu ao Governo japonês que lidere os esforços para isso.

Em sua "Declaração de Paz", Akiba reivindicou que o Japão "abandone a proteção nuclear dos EUA", principal aliado de segurança do país asiático.

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, se uniu à convocação para o desarmamento e lembrou os avanços conseguidos em maio deste ano, durante a conferência para a revisão do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP).

"As armas nucleares não devem causar sofrimento nunca mais", afirmou.

O secretário-geral da ONU também falou brevemente e ressaltou que "o único caminho sensato para um mundo mais seguro é um mundo livre de armas de destruição em massa".

"Enquanto existirem armas atômicas, viveremos sob uma sombra nuclear", disse, para depois acrescentar que, em setembro, deverá convocar uma Conferência de Desarmamento em Nova York.

O embaixador americano, por sua vez, destacou a necessidade de os países "seguirem trabalhando juntos para conseguirem um mundo sem armas nucleares, pelo bem das futuras gerações".

Após a cerimônia, as autoridades visitaram o Museu Memorial da Paz de Hiroshima, fundado em 1955 no Parque da Paz para recolher as experiências das vítimas e manter viva a lembrança da tragédia.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host