UOL Notícias Notícias
 
15/08/2010 - 15h18

Afeganistão precisa de tempo para consolidar progressos, diz general Petraeus

(corrige nome de Petraeus no 8º parágrafo e o de McChrystal no 12º)

Washington, 15 ago (EFE).- O comandante-em-chefe das tropas dos Estados Unidos e da Otan no Afeganistão, o general David Petraeus, considerou hoje que o país centro-asiático precisará de tempo para que os progressos realizados se consolidem.

Em entrevista ao programa "Meet the Press", da "NBC", Petraeus destacou que as melhorias começaram na primavera passada e se mostrou otimista com os avanços para recuperar territórios controlados pelos talibãs, além da criação de "pequenos focos" de progresso, os quais espera que se estendam.

O general destacou o papel das tropas afegãs na tomada do território dos talibãs e o trabalho dos funcionários civis para restabelecer os serviços à população afegã.

Segundo ele, o objetivo é manter a Al Qaeda e outros grupos extremistas fora da área de ação para que o Governo afegão possa retomar o controle e ganhar a confiança da população local.

"Estamos aqui para que o Afeganistão não volte a ser um santuário de extremistas que operam globalmente, como a Al Qaeda fez quando planejou os ataques do 11 de setembro na área de Kandahar", enfatizou.

Neste sentido, assinalou que capturar vivo ou morto o líder da Al Qaeda continua sendo um das principais metas dos EUA.

Osama bin Laden "continua sendo um ícone e acho que capturá-lo ou matá-lo é ainda uma tarefa muito importante para todos aqueles que estão comprometidos com o terrorismo no mundo", assegurou.

Questionado sobre se será possível cumprir o prazo marcado pelo presidente Barack Obama para que as tropas americanas saiam do país em julho de 2011, Petraeus assinalou que dependerá do progresso feito nos próximos meses.

"O presidente foi claro... essa é a data na qual o processo (de abandonar o país) começa" e sobre a qual se assentam as bases do plano de retirada, disse.

Petraeus advertiu que se os Estados Unidos perdessem a guerra, provavelmente haveria uma sangrenta guerra civil e os extremistas poderiam voltar a tomar o controle.

Quanto às relações com o presidente Hamid Karzai, negou que haja problemas com o líder afegão, que foi acusado de fraude eleitoral no primeiro turno do pleito nos quais foi eleito para um segundo mandato de cinco anos.

Petraeus assumiu as operações militares dos EUA e da Otan no Afeganistão em julho em substituição ao general Stanley McChrystal, que renunciou após declarações polêmicas sobre como o Governo americano está enfrentando a guerra.

Após nove anos de guerra, a população americana e alguns democratas começam a ver a vitória dos EUA como algo incerto. Julho passado foi um dos meses em que mais foram registradas baixas entre as tropas americanas, com 66 soldados mortos.

Assim o indicou o senador democrata Jack Reed, que defendeu no programa "Fox News Sunday" que a saída das tropas deve ser submetidas às condições que se deem no momento da retirada.

"Acho que estamos vendo gente saindo, a missão está mudando, mas não há um sentido de mudança significativo", disse o senador.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host