UOL Notícias Notícias
 
16/08/2010 - 12h16

Acidente aéreo causado por raio deixa 1 morto na Colômbia

(atualiza com novos dados das vítimas).

Bogotá, 16 ago (EFE).- Um avião foi atingido por um raio no aeroporto da ilha de San Andrés, no norte da Colômbia, deixando um morto, uma menina ferida com gravidade e mais de 100 pessoas com ferimentos leves, segundo informações da Polícia e dos médicos.

O acidente ocorreu à 1h50 local (3h50 de Brasília) quando um Boeing 737-700 da empresa Aires Airlines, com 121 passageiros a bordo, que cobria a rota Bogotá-San Andrés, se preparava para pousar no aeroporto da ilha caribenha e foi atingido por um raio. A aeronave ficou partida ao meio.

Em consequência, morreu Amar Fernández de Barreto, aparentemente de parada cardíaca, enquanto mais de cem passageiros foram atendidos em dois hospitais da ilha.

A Polícia informou, em comunicado, que viajavam a bordo três brasileiros - identificados como Ramiro Lobo, Maria Lobo e Catherine Lobo - e também um americano e um francês. Nenhum deles sofreu lesões de gravidade, mas permanecem sob observação médica.

"A aeronave que cobria o trajeto Bogotá-San Andrés aterrissava em meio a uma intensa tempestade elétrica, quando um potente raio teria causado seu descontrole na extremidade da pista 06", informou à "Caracol Radio" o coronel Gustavo Barrero, comandante do Grupo Aéreo do Caribe da Força Aérea Colombiana.

O aeroporto Gustavo Rojas Pinillas de San Andrés paralisou suas atividades. Por enquanto, estão suspensas todas as decolagens e chegadas no aeroporto de San Andrés, um dos pontos mais turísticos do Caribe colombiano.

A Polícia informou também que "foram habilitados como aeroportos alternativos o de Panamá e Manágua", nos países vizinhos e cujos litorais estão mais próximos até do que do território continental da Colômbia.

Apenas seis pessoas saíram totalmente ilesas, sem que precisassem de atendimento médico de nenhum tipo - entre elas, um bebê de 18 meses.

Os feridos foram levados a dois hospitais, mas a maioria já recebeu alta.

O diretor de um dos hospitais, Robert Sánchez, indicou à emissora "RCN" que o caso mais grave é o de uma menina de 11 anos, que passou por cirurgia.

"Os pacientes que precisavam de cirurgia já saíram bem. Temos problema com uma menina que fez uma cirurgia cerebral e que precisa urgentemente sair dali em um avião-ambulância", disse o médico.

Por sua vez, fontes médicas do outro hospital disseram que apenas cinco pessoas tiveram que passar por cirurgias pelos ferimentos, mas já estão fora de perigo.

Em comunicado, a Aviação Civil informa que as atividades de atendimento aos passageiros estão sendo realizada de forma conjunta entre este organismo, Marinha, Aeronáutica, Polícia, Cruz Vermelha, a companhia Aires e outras instituições do Comitê Regional para a Prevenção e Atendimento de Desastres (Crepad).

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host