UOL Notícias Notícias
 
18/08/2010 - 10h06

Hitler vive no Uruguai com Napoleão, John Kennedy, Branca de Neve e Tarzan

Raúl Cortés.

Montevidéu, 18 ago (EFE).- Se Hitler estivesse vivo, jamais imaginaria que várias pessoas usam seu sobrenome no Uruguai, onde uma regulamentação frágil e a inventividade popular deixaram registros tão surpreendentes como Napoleão, John Kennedy, Branca de Neve, Einstein, Tarzan, Empréstimo, Oxigênio e Demência.

Em pleno século XXI e a milhares de quilômetros da Alemanha o fantasma do ditador nazista rondou este mês pelo país sul-americano, quando na pequena cidade de Tacuarembó, no norte do Uruguai, um homem de 70 anos matou com um tiro sua companheira de 38 e depois se suicidou.

Seria apenas mais uma nota no jornal se não fosse pelo autor do crime se chamar Hitler Aguirre Fuentes, um nome que passou para seu filho e que compartilha com pelo menos outros três compatriotas, cada um com uma história mais curiosa que a outra.

Um deles, Hitler Ignacio da Silva, de 71 anos, nascido em Rivera, fronteira com o Brasil, explicou à Agência Efe que deve o nome a seu pai, um policial que, não contente, tentou registrar o outro filho como Mussolini, mas a mãe das crianças não deixou.

Silva, que junto com Aguirre chegou a protagonizar um documentário chamado "Dos Hitleres" (Dois Hitleres), garante que nunca quis trocar de nome, apesar das confusões na infância e de vários hotéis terem negado hospedá-lo em uma viagem que fez a Buenos Aires.

No caso de Hitler Gayoso - de 75 anos, que vive em Montevidéu -, a responsável foi sua mãe, uma humilde camponesa que teve 12 filhos. Os jornais da época eram sua fonte de inspiração.

"Ela achou que era um nome lindo", justificou Gayoso, que já pensou em pedir a um juiz para trocar de nome, mas desistiu porque antigamente "era muito complicado".

Juan Hitler Porley - de 67 anos, morador de San José, estado vizinho a Montevidéu -, explica que recebeu esse nome por ter nascido em 1943, em plena Guerra Mundial.

"Os meus pais me batizaram assim porque acharam que o nome soava bonito. Colocaram Hitler como poderiam ter colocado o nome de um cantor famoso da época", relata.

A razão deste curioso fenômeno, segundo o diretor do Registro Civil uruguaio, Adolfo Orellano, é que, durante a primeira metade do século passado, quando o Uruguai abriu suas fronteiras à cultura de diferentes países do mundo, "não havia nenhum controle nos registros dos nomes".

Por isso é fácil encontrar no guia telefônico singularidades como Tarzan, Napoleão, Desventurado, Pacífico, Remember, Ermitão, Waterloo, Addisabeba, Oscar Wilde, Einstein, Repúblico, Kremlin, Branca de Neve e John Kennedy.

Os pais mais fanáticos pelo futebol também deixaram algumas joias como Vitória Celeste, em homenagem ao título mundial que o Uruguai ganhou em 1950.

A febre de nomes excêntricos voltou após a Copa da África do Sul, quando a seleção uruguaia terminou em quarto lugar, como mostra o recente registro de um Mario Abreu, em homenagem ao atacante Sebastián Abreu, e a tentativa de se registrar uma Maria Vuvuzela.

Segundo Orellano, nos anos 1980 foi sancionada uma lei que proíbe os nomes "extravagantes, imorais, ridículos ou que gerem dúvidas a respeito do sexo", mas a decisão final de registrar um cidadão é dos funcionários do Registro Civil.

Por isso, no ano que vem será enviado um projeto de lei ao Parlamento contendo uma detalhada regulamentação que impeça interpretações erradas.

"Uma coisa é a liberdade e outra coisa é a libertinagem. O nome deve ser uma denominação, e não um peso para o futuro da criança", argumentou Orellano.

O jornalista e humorista uruguaio Jorge 'Cuque' Sclavo tem conhecimento de vários outros casos famosos, como o de Potranca Divina e 'Gaucho Punteador', e o de uma pessoa que chegou a ter 19 nomes.

Segundo Sclavo, o fenômeno ocorria, principalmente, entre as pessoas que viviam no interior do país, que não tinham ideia de nome e apelavam para o que liam nos almanaques", embora também existam os casos de "algumas pessoas que, eufóricas pelo nascimento do filho, bebiam demais e iam ao cartório", conclui.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    12h00

    0,45
    3,172
    Outras moedas
  • Bovespa

    12h06

    0,31
    74.671,61
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host