UOL Notícias Notícias
 
23/08/2010 - 22h29

Pentágono nega relação com ordens de prisão contra criador do Wikileaks

Washington, 23 ago (EFE).- O Pentágono negou hoje ter relação com as ordens de detenção emitidas no fim de semana passado na Suécia contra o criador do Wikileaks, Julian Assange, cujo site publicou recentemente 70 mil documentos secretos da guerra no Afeganistão.

O porta-voz do Pentágono, Bryan Whitman, ressaltou que qualquer insinuação de que a Defesa dos Estados Unidos esteja envolvida em uma conspiração contra Assange é "absurda".

As autoridades suecas emitiram no dia 20 duas ordens de detenção contra Assange, uma por violação e outra por agressão, que foram retiradas horas depois.

Assange, que se encontra de férias na casa de um amigo no norte da Suécia, negou as acusações e insinuou que poderiam se tratar de uma montagem para prejudicar o Wikileaks.

Em declarações à rede "CNN", Assange acusou hoje o Pentágono de ter iniciado uma "campanha de desprestígio" contra sua pessoa depois que seu site publicou recentemente milhares de documentos secretos sobre a guerra do Afeganistão.

"Isso é ridículo", disse o porta-voz do Pentágono em entrevista coletiva.

Whitman assinalou que o Pentágono mantém seu pedido ao Wikileaks para que retire os documentos que publicou em seu site, alguns dos quais incluem os nomes de soldados americanos e cidadãos afegãos que colaboram com eles.

Sob o título "Diário da Guerra Afegã", no dia 25 de julho o Wikileaks publicou 70 mil documentos que abrangem desde janeiro de 2004 até 2010, nos quais se revelam desde mortes de civis não divulgadas até a possível colaboração dos serviços secretos do Paquistão com os talibãs.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host