UOL Notícias Notícias
 
24/08/2010 - 16h48

Nasrallah pede ao Governo libanês que solicite ajuda militar a Teerã

Beirute, 24 ago (EFE).- O líder do grupo xiita Hisbolá, Hassan Nasrallah, pediu hoje ao Governo libanês que solicite ajuda a Teerã para que lhe forneça armas e disse que sua organização trabalhará para conseguir esse apoio.

"Se pedimos de maneira oficial este tipo de ajuda, acho que o Irã, que ajudou o Líbano durante 28 anos, não se omitirá de apresentar a ajuda que o Exército libanês necessita", disse Nasrallah em uma videoconferência televisionada.

No dia 9 o presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Howard Berman, anunciou que tinha solicitado a suspensão dos US$ 100 milhões de assistência militar para o Líbano no dia 2 de agosto pela suposta influência do Hisbolá nas Forças Armadas do país.

Um dia depois, os exércitos do Líbano e Israel protagonizaram um choque na fronteira que deixou quatro mortos (um israelense e três libaneses).

Berman ressaltou que esse incidente reforçava a necessidade de que os EUA efetuassem uma profunda revisão de sua relação com o Exército libanês e advertiu que, enquanto não houver mais detalhes sobre a suposta influência do Hisbolá, não permitiria que seu país continue enviando armas ao Líbano.

Nasrallah destacou que há unanimidade no Líbano sobre a necessidade de proporcionar armas ao Exército, depois dos enfrentamentos do dia 3 em Adeise, no sul do país árabe.

"O que aconteceu em Adeise revelou que os EUA e as armas que dá ao Exército libanês não são para combater Israel, mas para cálculos internos que denominam luta contra o terrorismo", explicou.

Nasrallah esclareceu que eles não querem dinheiro para o Exército libanês, mas armas, embora aponte que uma possibilidade para ajudar às Forças Armadas de seu país são as doações.

Também fez uma chamada aos países árabes para que deem seu respaldo ao Líbano.

"Os senhores têm foguetes, tanques, mísseis, esta ideia não afetará o orçamento nacional, estamos em uma zona tensa, o Exército que diga de que armas precisa", propôs o religioso xiita.

Quanto aos acusados no Líbano de espionagem para Israel, Nasrallah solicitou a criação de tribunais especiais que avaliem essas causas e exigiu o cumprimento das penas a morte.

Além disso, advertiu que possivelmente existem espiões de Israel nos partidos políticos libaneses, "e certo que o Hisbolá está infiltrado" também.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,40
    3,279
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    0,95
    63.257,36
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host