UOL Notícias Notícias
 
25/08/2010 - 06h11

Jimmy Carter chega à Coreia do Norte para tentar libertar americano

Seul, 25 ago (EFE).- O ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter chegou nesta quarta-feira a Pyongyang em uma viagem cujo objetivo é conseguir a libertação de um cidadão americano condenado a oito anos de trabalhos forçados por entrada ilegal na Coreia do Norte, segundo informa a imprensa sul-coreana e americana.

A agência oficial norte-coreana de notícias "KCNA" informou em breve comunicado que "Carter e sua comitiva chegaram a Pyongyang", em cujo aeroporto foram recebidos pelo negociador local para o diálogo nuclear, Kim Kye-gwan.

O americano Aijalin Mahli Gomes, de 30 anos, foi detido na Coreia do Norte em 25 de janeiro por entrar ilegalmente no país através da fronteira com a China, e em abril foi condenado por um tribunal do país asiático.

É a segunda visita do ex-presidente democrata americano e Prêmio Nobel da Paz em 2002 à capital norte-coreana, depois da viagem histórica que realizou em 1994.

Na ocasião, Carter se reuniu com o então líder norte-coreano e pai do atual, Kim Il Sung, e conseguiu que a Coreia do Norte negociasse com os EUA em conversas sem precedentes, que levaram a um acordo de desarmamento nuclear.

Esta é também a segunda vez que um ex-presidente americano viaja à capital norte-coreana especificamente para libertar um de seus cidadãos.

Em agosto de 2009, Bill Clinton se reuniu em Pyongyang com o atual líder norte-coreano, Kim Jong-il, para conseguir a libertação de duas jornalistas americanas que tinham sido detidas na fronteira com a China e condenadas a 12 anos de trabalhos forçados.

Clinton levou as duas jornalistas de volta em seu avião, como espera-se que ocorra desta vez com Carter e Gomes.

Segundo a imprensa sul-coreana, Carter também se reunirá nesta quarta com o líder norte-coreano, passará uma noite em Pyongyang e voltará a seu país em um avião privado junto a Gomes, um ex-professor de inglês original de Boston.

O Departamento de Estado enviou em segredo, entre 9 e 11 de agosto até o dia 16, um funcionário consular, dois médicos e um tradutor à Coreia do Norte para visitar Gomes, mas a equipe fracassou em sua tentativa de conseguir a libertação.

Segundo a imprensa oficial norte-coreanos, o americano tentou suicídio em julho por causa de um sentimento de "culpabilidade" e "decepção" perante o fato de Washington não ter tomado medidas para sua libertação.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host