UOL Notícias Notícias
 
25/08/2010 - 20h43

ONU abre conferência no México que almeja ligar jovens a desenvolvimento

México, 25 ago (EFE).- Representantes da ONU e do Governo do México, ao lado de milhares de jovens, inauguraram hoje na cidade mexicana de León a Conferência Mundial da Juventude 2010 (CMJ), que procura identificar as prioridades de 1,2 bilhão de jovens no mundo e incorporá-las aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM).

Cerca de 25 mil jovens de 112 países e reunidos em 169 organizações participam do evento junto com 35 ministros e outros altos funcionários de 100 países para tentar transformar as sugestões da juventude em políticas públicas.

Em seu discurso inaugural, o secretário (ministro) de Educação mexicano, Alonso Lujambio, destacou a "histórica" dimensão desta conferência.

"Hoje, a voz juvenil do mundo está presente, com sua pluralidade, seu entusiasmo e seu talento, com seu espírito inovador para se fazer escutar, mas também para ser parte das respostas a suas reivindicações e a suas expectativas para construir um mundo com mais oportunidades, mais justo, mais respeitoso com o meio ambiente, mais democrático e mais inclusivo", acrescentou.

Também na abertura da conferência, a diretora-executiva adjunta do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA, na sigla em inglês), a indiana Purnima Emane, disse que este é o momento de "investir nos jovens" e de "promover o diálogo e a compreensão entre cultura e juventude".

Emane espera que a CMJ sirva para elaborar uma declaração final "muito forte que seja apoiada pelos Governos, mas também respaldada pelas vozes dos jovens de todo o mundo".

Este documento, que será conhecido em dois dias, será enviado à cúpula sobre os ODM, marcada para setembro em Nova York.

A conferência no México está dividida em duas partes: um Fórum Social, no qual jovens e ONGs desde segunda-feira debatem suas propostas, e o Fórum de Governos, que trabalhará a partir de hoje até sexta-feira em como transformar algumas dessas ideias em recomendações políticas.

A reunião pretende "identificar as prioridades de ação sobre juventude" e pôr diante dos Governos propostas para que sejam incluídas na agenda internacional do desenvolvimento.

Entre os ODM, há vários que afetam diretamente os jovens, como o de conseguir ensino primário universal.

Das três bilhões de pessoas que vivem no planeta com menos de US$ 2 por dia, "a metade tem menos de 24 anos", lembrou o UNFPA.

"Os jovens entre 15 e 24 anos de idade representam quase um quarto da população mundial, mas são quase metade dos desempregados", alertou o organismo da ONU.

Os jovens também enfrentam problemas graves de saúde, como o HIV, vírus do qual "apenas 40% cento dos homens jovens e 38% das mulheres jovens têm conhecimento compreensivo".

O UNFPA apresentará provas de que a educação sexual "pode desempenhar um papel importante" para reduzir riscos.

"Uma mulher morre a cada minuto de complicações relacionadas com o parto e a gravidez" e as mulheres "entre 15 e 19 anos têm uma taxa de mortalidade duas vezes mais alta do que as mulheres de 20 a 30 anos", diz o fundo da ONU.

Entre os assuntos que serão abordados nesta semana na CMJ se destacam os relacionados à pobreza, prevenção de dependências, mudança climática, energias renováveis, igualdade de gênero e educação.

A última CMJ foi realizada em agosto de 1998 em Lisboa e terminou com um chamado para "evitar a participação ou implicação dos jovens em todos os atos de violência, em particular atos de terrorismo em todas suas formas e manifestações, xenofobia e racismo".

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host