PUBLICIDADE
Topo

Papa oferece "sua casa" a palestinos e israelenses para fazerem a paz

Em Belém (Cisjordânia)

25/05/2014 07h35Atualizada em 25/05/2014 12h21

O papa Francisco convidou neste domingo (25) os presidentes da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e de Israel, Shimon Peres, a se unirem a suas orações pela paz e ofereceu "sua casa", o Vaticano, para a implementação deste projeto.

"Muitos constroem a paz dia a dia com pequenos gestos, pequenas coisas, muitos deles sofrem até sem serem conscientes disso. Os que fazemos parte da igreja temos a obrigação de nos converter em ferramentas para a paz, especialmente por meio de nossas preces", afirmou.

Locais pelos quais o papa Francisco vai passar durante visita à Terra Santa - Arte UOL - Arte UOL
Visita do papa à Terra Santa
Imagem: Arte UOL

Antes de iniciar a reza do Regina Coeli, na praça da Manjedoura, em Belém, onde chegou hoje na segunda etapa de sua primeira peregrinação à Terra Santa, Francisco disse que construir a paz "pode ser difícil, mas viver sem paz é um sofrimento".

Minutos depois, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, confirmou que a afirmação se trata de um convite formal a ambos os líderes para se falar da paz "em um sentido religioso", e disse que a intenção do pontífice é que este encontro possa acontecer no Vaticano em um breve espaço de tempo.

"Neste momento, não lembro de que tenha existido uma iniciativa deste tipo", acrescentou.

Mais tarde, Shimon Peres elogiou a iniciativa do papa e aceitou o convite, segundo uma fonte de seu gabinete ouvida pela agência de notícias Efe.

Na chegada à Terra Santa, papa pediu o fim do conflito na Síria

Papa reza diante de muro que separa a Cisjordânia de Israel

Antes de ir a um missa hoje, o papa rezou diante de um muro que separa a Cisjordânia de Israel, em um gesto simbólico que rapidamente ganhou a internet.

Na missa, Francisco pediu amparo da Virgem Maria para a terra da Palestina e para todos aqueles que a habitam, para que possam viver nela com justiça, paz e fraternidade.

Durante a oração de "Regina Coeli" na praça da Manjedoura, em Belém, o pontífice anunciou, além disso, seu desejo de retornar em breve à Terra Santa para visitar os lugares cristãos da Galileia, em particular Nazaré, que ficaram fora desta primeira peregrinação.

"Enquanto nos preparamos para concluir esta celebração, dirigimos nosso pensamento para Maria Santíssima, que precisamente aqui em Belém deu à luz ao seu filho Jesus. Nossa Senhora é a pessoa que mais contemplou Deus na face humana de Jesus", afirmou.

Curiosidades sobre a visita do papa

  • Francisco vai comer sopas e, como bom argentino, não vai faltar carne no cardápio

  • Pela primeira vez o 'Pai Nosso' será rezado por um pontífice romano junto com um patriarca grego. O encontro entre os mais tradicionais segmentos do cristianismo (católicos e ortodoxos) é o ponto alto da peregrinação

  • O papa não deve andar de carro aberto, mas exigiu que seu veículo no Oriente Médio não fosse a prova de balas. Mesmo assim, sempre há a expectativa de que ele quebre algum protocolo.

  • As ruas do centro antigo de Jerusalém, ponto mais movimentado da cidade, serão fechada no fim de semana, inclusive para moradores locais. Ou seja, as pessoas ficarão presas dentro de casa (ou fora) até a saída de Francisco, na segunda-feira (26)

  • Varreduras são feitas todos os dias nos locais em que o papa e sua comitiva vão passar

  • Há mais argentinos que brasileiros acompanhando a viagem à Terra Santa, entre peregrinos e jornalistas, segundo o governo de Israel

  • Mais de mil jornalistas se credenciaram para a cobertura em Belém, segundo a Autoridade Palestina