PUBLICIDADE
Topo

Separatistas garantem segurança da OSCE no local da queda do MH17

De Kiev

18/07/2014 04h39

A OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) informou nesta sexta-feira (18) que um grupo de seus especialistas está a caminho do local do onde o avião da Malaysia Airlines caiu e que os rebeldes garantiram a segurança dos observadores e dos investigadores internacionais escalados para averiguar as causas da queda da aeronave.

Os serviços de inteligência dos Estados Unidos consideram que o avião foi atingido por um míssil terra-ar, mas não puderam confirmar ainda a origem do projétil que derrubou a aeronave. Havia 298 pessoas no voo e não há sobreviventes.

O grupo de contato, que inclui representantes de Ucrânia, Rússia e da OSCE falou nesta quinta-feira (17) à noite, por videoconferência, com os rebeldes pró-Rússia de Donetsk, que controlam a região do leste ucraniano, onde o avião caiu.

A mediadora do conflito entre as autoridades de Kiev e os insurgentes informou que o grupo se reuniu na capital ucraniana para a videoconferência com os rebeldes.

"Em vista do terrível acidente do avião malaio na região de Donetsk, e com o objetivo de estabelecer uma série de medidas práticas urgentes, o grupo participou de uma videoconferência com representantes dos grupos separatistas em Donetsk", afirmou a OSCE em comunicado divulgado em seu site.

Segundo os serviços de inteligência dos EUA, o avião da companhia Malaysia Airlines, que fazia a rota Amsterdã-Kuala Lumpur, foi abatido por um míssil terra-ar, mas não pôde especificar quem foi responsável pelo disparo.

Tanto as autoridades de Kiev como os rebeldes pró-russos do leste trocaram acusações sobre quem foi responsável pela queda do avião, em pleno conflito armado.

O serviço nacional ucraniano de Situações de Emergência informou hoje que já foram encontrados os corpos de 121 dos ocupantes da aeronave no local dos destroços.

A companhia aérea informou que 298 pessoas estavam no avião, 283 passageiros e 15 tripulantes. Destesm 154 holandeses, 43 malaios (incluídos os 15 membros da tripulação), 27 australianos, 12 indonésios, nove britânicos, quatro alemães, quatro belgas, três filipinos, um canadense e outros 41 que não tiveram sua nacionalidade confirmada.

Mais sobre o avião abatido

  • Coincidência

    Este é o 4º acidente aéreo em 17 de julho: outros três aviões caíram nos dias 17 de julho de 1996, 2000 e 2007.

  • Principais ataques

    Se for confirmado que a aeronave foi derrubada por um míssil, terá sido o ataque mais mortífero contra um voo comercial desde os anos 1960. Desde 1967, mais de 700 pessoas foram mortas em 19 incidentes envolvendo ataques com disparos propositais.

  • Morte instantânea

    "Quase ninguém a bordo soube o que estava acontecendo. Se não morreram instantaneamente, ficaram inconscientes em frações de segundos." A afirmação é de Justin Bronk, pesquisador britânico da área de defesa e segurança.

  • Abate poderia ter sido evitado

    Aviões comerciais como o Boeing 777 da Malaysia Airlines que foi sobre a fronteira da Ucrânia com a Rússia não possuem nenhum dispositivo para despistar mísseis.