PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Com 119 mortes, Gaza viveu ontem o dia mais sangrento da ofensiva israelense

De Gaza

31/07/2014 04h26

Os aviões de combate e os tanques das Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) mataram ontem 119 palestinos e feriram mais de 500 na faixa de Gaza nesta quarta-feira (30), informaram nesta quinta-feira (31) fontes de saúde do território palestino, o que transformou a quarta no dia mais sangrento da atual ofensiva miliar israelense.

O porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, Ashraf al Qedra, especificou que os dois episódios mais graves ocorreram quando a artilharia israelense atingiu uma escola gerida pela ONU no norte da faixa de Gaza e um mercado na capital.

"20 pessoas morreram nos ataques de tanques contra o colégio Abu Hussein em Jabalya, e outras 20 no mercado público de Shayaia", esclareceu Qedra ontem à noite, antes de acrescentar que "mais de 20 corpos foram retirados dos escombros no sul da Faixa de Gaza".

O porta-voz detalhou que o total de mortos desde o início da ofensiva israelense, que começou em 8 de julho, chega a 1.349 e os feridos são mais de 7.500, a maioria civis, inclusive mulheres e crianças.

As IDF não comentaram sobre os bombardeios contra a escola e o mercado, mas informaram em comunicado que 110 posições terroristas foram atacadas em Gaza nas últimas 24 horas, 20 delas somente na noite passada.

Também nesta quarta, as milícias palestinas dispararam cerca de 120 projéteis contra o território israelense, que não causaram vítimas fatais, de acordo com a imprensa local.

Desde o início da operação Limite Protetor, 56 militares israelenses morreram em combate ou depois que foram atingidos por projéteis disparados de Gaza, além de três civis.

Mais sobre o conflito entre Israel e o Hamas

  • UOL

    Embaixador da Palestina

    Israel faz "guerra aberta ao povo palestino", diz embaixador da Palestina

  • Divulgação/PR

    Embaixador de Israel

    "O Hamas é o câncer da Palestina", diz embaixador de Israel no Brasil

  • Mohammed Saber/Efe/Epa

    Batalha assimétrica

    O conflito entre militares israelenses e braços armados do Hamas e de outros grupos palestinos na faixa de Gaza é uma clássica batalha assimétrica. Os dois lados estão longe de serem equiparáveis em termos de poder de fogo, mas ainda assim podem exercer grande pressão um sobre o outro.

  • Arquivo pessoal

    Brasileiros na região

    A freira brasileira Maria Laudis teve que abandonar a igreja e todos seus pertences na casa onde morava na faixa de Gaza para proteger a própria vida. O imóvel ao lado de onde a religiosa pernambucana vivia foi alvo de um dos projéteis lançados por Israel.

Internacional